Da Redação JM Notícia

 

Fernanda Brum passou por quatro abortos, dois antes de Isaac, 13 anos, nascer e dois antes dela engravidar de Laura, 7 anos.

O sofrimento de desejar um filho e não conseguir tê-lo já serviu de inspiração para a criação da música “Dá-me Filhos”, no álbum Apenas um Toque. Mas também inspirou a cantora a se pronunciar contra o aborto, tema que também serviu para escrever a canção “Aborto, não”, do CD “Cura-me”.

Em entrevista ao jornal Extra, a cantora gospel falou sobre suas gravidezes e como passar pela curetagem por quatro vezes a fez se tornar madrinha do grupo Apoio a Mulheres Numa Gravidez Indesejada (AMGI), com sede em Minas Gerais.

“Isaac foi dado como morto na minha barriga. Com Laura, tive uma implantação média (quando o óvulo não se fixa bem no útero) e fiquei de repouso a gravidez toda. Sou daquelas pessoas que acreditam até o fim, quem faz o milagre é Deus. Ele só precisa de alguém para acreditar”, declarou.

VEJA TAMBÉM
Fernanda Brum fala sobre ministério feminino e perseguição religiosa na TV

O grupo AMGI recebe mulheres que estão grávidas e prestam serviços de apoio médico, psicológico e ainda ganham o enxoval. “Depois de terem os bebês, decidem se vão entregar para a adoção ou se seguirão com o apoio da casa”, diz Fernanda Brum.

A cantora se coloca em favor das mulheres, mas rejeita o feminismo. “A Igreja não é feminista nem machista, é um lugar de unidade. Somos uma casa de oração para todos os povos. Quando você levanta bandeiras, acaba segregando”, afirmou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.