Da Redação JM Notícia

 

A manifestação que aconteceu nesta quarta-feira (24) em Brasília gerou várias confusões entre os representantes de movimentos sociais e a Polícia Militar.

Os manifestantes colocaram fogo nos Ministérios da Agricultura e da Cultura, invadiram salas, quebraram computadores e destruíram documentos. Os funcionários tiveram que sair de suas salas à pressas. Carros estacionados em volta da Esplanada foram depredados.

Diante do caos instalado, o presidente Michel Temer (PMDB) e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), resolveram chamar as Forças Armadas para garantir a segurança dos prédios.

Ao comentar sobre o assunto, o deputado federal pastor Marco Feliciano gravou um vídeo defendendo o uso do Exército para garantir a ordem.

“Estou aqui para defender a Constituição e a ordem, não estou defendendo o governo ou Temer”, declarou o parlamentar que assistiu ao caos instalado também na Câmara onde os deputados da oposição tumultuaram a sessão levantando placas de “Fora Temer”.

“Neste momento não existe placa, o que existe é o Brasil e o Brasil está com sua democracia ameaçada por esses arruaceiros do MST, da CUT, da UNE… esses trabalhadores que não trabalham, esses estudantes que não estudam, puxadinhos do PT que estão aqui com dinheiro dos impostos sindicais”, afirmou.

VEJA TAMBÉM
Milhares de pessoas vão às ruas pedir o impeachment de Dilma Rousseff

Pelo Twitter, Feliciano comentou que não houve manifestação, mas sim uma tentativa de ocupação. “Manifestação? Uma ova! Isso foi uma tentativa de ocupação. Não há bandeiras do Brasil, apenas bandeiras vermelhas. PT e sua vingança!”

A Polícia do Distrito Federal afirmou que cerca de 35 mil pessoas estavam reunidas na Esplanada dos Ministérios. Entre as ocorrências, algumas pessoas foram detidas por porte de drogas e de armas brancas.

Assista:

FORÇA BRASIL! PARABÉNS AS FORÇAS ARMADAS E A POLÍCIA DO DISTRITO FEDERAL

Publicado por Marco Feliciano em Quarta, 24 de maio de 2017

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.