Da Redação JM Notícia

 

O encontro das três autoridades foi no gabinete da Presidência do Tribunal Superior Eleitoral, no começo da tarde desta quarta-feira, 24/05.

Durante esta semana, a presidente do TRE-TO (Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins), desembargadora Ângela Prudente, visitou os senadores do Estado, em Brasília. O objetivo foi esclarecê-los sobre a Resolução 23.512, do TSE, que altera a Resolução 23.422/2014, do mesmo órgão, que trata da criação e instalação de zonas eleitorais.

“O Tocantins conta, hoje, com 35 zonas eleitorais, que já foram devidamente ‘enxugadas’, atendendo ao princípio da economicidade. Inclusive, o TER-TO está na fase final do cadastramento biométrico dos 1.041.955 eleitores, à frente de muitos outros estados da Federação”, informou a desembargadora Ângela Prudente.

Pela nova resolução, o TSE decidiu, em princípio, diminuir o número de zonas eleitorais do Tocantins para apenas 19, uma redução de 54%. Por outro lado, deu um prazo de 30 dias para que fossem realizados estudos que possam propor uma reavaliação da situação de cada estado.

VEJA TAMBÉM
Ataídes Oliveira alfineta divulgação de pesquisa Ibope/ACIPA e fala em desespero

Diante disso, a presidente do TRE-TO procurou sensibilizar os representantes do Estado, para que estes se esforçassem para demonstrar ao TSE que qualquer diminuição no número de zonas eleitorais trará prejuízos irreparáveis para o exercício da cidadania dos eleitores tocantinenses.

Ângela Prudente argumenta que as grandes distâncias entre as sedes dos municípios, a baixa densidade demográfica (sexta menor do país) e a situação geral de pobreza farão com que a grande maioria dos eleitores deixem de ter garantido o seu direito/dever de votar.

Diante do fato, o senador Ataídes Oliveira e a senadora Kátia Abreu se uniram e entregaram pessoalmente ao presidente do TSE um ofício solicitando um estudo mais apurado sobre a as peculiaridades do Estado, antes de decidir sobre a diminuição da rede de atendimento ao cidadão/eleitor. O ministro Gilmar Mendes demonstrou entender a demanda e afirmou que o órgão tratará o assunto com a atenção que merece.

“Trata-se de um esforço conjunto, uma união de forças para o bem do Tocantins, para evitarmos danos à Justiça Eleitoral estadual. Nessas horas, devemos deixar as diferenças de lado e pensarmos apenas no que é melhor para o Estado”, concluiu Ataídes Oliveira, que assinou o ofício, ao lado de Kátia Abreu.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.