Ponto & Vírgula

Por Francisco Vieira  – Vieirinha

 Nem tudo é o que parece.

 Depois da conquista do fim da ditadura, com muita pressão popular, luta e sangue derramado, estamos revivendo, um comando despreparado de todos  os sentidos, pedras sendo jogada como na faixa de gaza, mãos decepadas, policiais atirando com arma letal e Brasília pegando fogo. Os defensores da mudança nacional apontam que não dá mais para esperar, para opositores as propostas das reformas tem agora o objetivo de garantir uma eleição dos seus aliados, e não interessa se quem entra quem sai. Sabemos que muitos estão desgastados e são poucos que ainda merecem crédito da população, alguns em pleno exercício de suas funções falam que ninguém vai votar nada e tentam ainda obstruir as pautas.

 

Nem tudo é o que parece! Um crime que incide detenção a depredação do patrimônio público “os meios justificam os fins” e nem um “acerto valida um erro”. É fato que a ação de vandalismo foi contra o patrimônio público, contra a nação e não contra o sistema de poder. Foi contra o que já foi construído através de impostos pagos pela sociedade e pelo povo. Este povo que também paga em seus contracheques, contribuição sindical obrigatória, sendo utilizados  para fretarem ônibus e levar elementos infiltrados no meio dos protestantes.

 Entrar no mérito da fraqueza do presidente tampão frágil, esta semana ficou ainda mais insustentável e sabemos que são os descontentes que controlaram essa turba de vândalos. Para proteger o patrimônio publico o presidente fez, assim como fez a presidente anterior em mais de uma ocasião, a convocação o exército.

PONTO & VÍRGULA – Vieirinha

No outro lado o povo não está desinformado, procura saber a verdade, estão atentos a tudo, que movimenta o cenário político e numa união dos estados e municípios, e para nossa decepção tudo começou um dia antes numa baixaria dentro do senado entre dois senadores, inclusive um deles do Tocantins o estado mais novo da nação.

E tenho dito.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.