Deputado Zé Domingos Fraga (PSD -MT)

MT – Congelamento de salários e a suspensão de concursos públicos estão entre os caminhos apontados para solucionar o problema de falta de recursos no Estado do Mato Grosso, que este ano já registra uma receita R$ 690 milhões menor do que a estimada no orçamento.

A avaliação é do deputado Zé Domingos Fraga (PSD). O cenário pode ser colocado em prática com a Lei do Teto de Gastos, que deve chegar à Assembleia nos próximos dias. “Não tem como reduzir salário, mas a Lei do Teto permite que se faça congelamento caso não alcance dispositivo na Lei de Responsabilidade Fiscal”, argumenta.

Segundo ele, ninguém imaginou que a crise econômica ainda estaria forte este ano e com perspectiva para ser vivida em 2018. Contudo, o parlamentar diz não entender onde o governo viu estimativa de melhora ao ponto de abrir e/ou planejar concursos.

“Nós pecamos quando inserimos 4 mil novos policiais na secretaria de Segurança Pública. Nós pecamos quando abrimos outros concursos públicos, dentre eles o que está abrindo agora para a secretaria de Educação. Isso sem dúvida tem onerado de forma significativa no orçamento do Estado.”

VEJA TAMBÉM
Veja 13 órgãos que abrem prazo nesta segunda para 1,6 mil vagas

Quem se manifestou também sobre o congelamento de salários, foi o presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Eduardo Botelho (PSB -MT). Segundo ele, o Projeto de Lei Complementar que deve definir o Teto de Gastos no Estado poderá congelar os salários dos servidores do Poder Executivo, Legislativo e Judiciário. De acordo com o parlamentar, o sacrifício tem que ser de todos.

Cobertor curto

De acordo com Zé Domingos, 73% da receita corrente são destinados à folha de pagamento, 16% para custeio e apenas 2% sobram para investimentos. Nessa linha, diz que o crescimento da folha é de R$ 200 milhões por quadrimestre, o que é insuportável, e, por isso, vê a necessidade de aprovarem urgente a Lei do Teto de Gastos, que também barraria a Revisão Geral Anual e as progressões de carreira, por até 10 anos.  Esse ano, o percentual da RGA está em 6,58% e deve impactar as contas públicas em mais de R$ 500 milhões. Em 2018, a estimativa é de 4,19%, já previsto na LDO.

VEJA TAMBÉM
Prefeitura de Bandeirantes do Tocantins -TO continua com inscrições abertas

Hoje, segundo o presidente da Assembleia Eduardo Botelho, o governo não teria mais como cortar pessoal e o Estado trabalha com 2 mil comissionados, número pequeno pelo tamanho da máquina pública. Por isso, defende a taxação do agronegócio para melhorar a receita, mas reconhece ser impossível aprovação nesse mandato. http://www.rdnews.com.br/

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.