Da Redação JM Notícia

 

Nesta segunda-feira (5) a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) de Palmas -TO realizou uma reunião para a discussão de um projeto que pretende criar um ambulatório especializado no atendimento de transexuais e travestis.

Participaram desse encontro integrantes da Associação das Travestis e Transexuais do Tocantins (Atrato), médicos especialistas, técnicos da Saúde e o secretário da Saúde de Palmas, Nésio Fernandes.

O projeto tem como objetivo dar a este grupo de pessoas um atendimento especial que os postos de saúde comuns não oferecem.

“A ideia é fazer com que transgêneros recebam o tratamento que deveriam ter em qualquer outro hospital. Em primeiro lugar, serem atendidas com respeito, sem preconceito e tratadas por seu nome social – direito garantido por lei, e já adotado pela Rede de Saúde de Palmas”, declarou a presidente da Atrato, Byanca Marchiori.

Ao receber o documento da Atrato que pede a criação deste ambulatório, o secretário afirmou que o município já estudava instalação de um espaço que promovesse melhor atendimento para travestis e transexuais.

VEJA TAMBÉM
Kairo Bernardo defende medidas ambientais para Palmas

“O primeiro passo já foi dado, que é a discussão da importância do município disponibilizar atendimentos específicos a este público. Agora, vamos publicar uma portaria criando um grupo de estudo para seguir com o processo de implantação das Políticas para o processo Transexualizador do SUS em Palmas”, disse Nésio.

Quem mostra interesse em ter um melhor atendimento é a transexual Rafael Mahare, integrante da Atrato, que usa hormônios e relata dificuldades em conseguir medicamentos.

“Com o ambulatório especializado teríamos a possibilidade de realizar o tratamento hormonal com segurança, com acompanhamento médico, e dos demais profissionais da saúde. Recebendo de forma correta quanto à melhor forma de se realizar o tratamento hormonal e que medicamentos utilizar”, declara.

Palmas não seria a primeira cidade a ter um ambulatório especial, outras cidades como Florianópolis (SC), São Paulo (SP), Belo Horizonte (MG) e outras já possuem um espaço exclusivo de atendimento para transexuais e travestis.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.