Da Redação JM Notícia

 

Uma oração contra a corrupção foi o que abriu a 25ª Marcha para Jesus de São Paulo, evento que aconteceu nesta quinta-feira (15) e atraiu cerca de 2 milhões de pessoas.

Às 10h, o apóstolo Estevam Hernandes, líder da Igreja Renascer em Cristo e idealizador da Marcha, deu início ao evento com uma oração.

“Pai, tira a fome e a corrupção. O Deus de paz vai esganar o satanás sob os teus pés”, declarou ele. De joelhos, muitos fiéis oraram e clamaram a Deus pelo país que enfrenta uma de suas crises mais severas que deixou quase 15 milhões de desempregados.

“Oramos contra a corrupção e a prostituição, baseado em um preceito bíblico. A Bíblia fala que, quando nós oramos e clamamos, mudamos situações”, afirmou. “Como brasileiros, nós estamos sendo afetados com toda essa loucura que o Brasil tem passado, de corrupção, de miséria.”

A Marcha para Jesus não tem tom político, apenas religioso, mas os problemas da população são citados nas inúmeras orações que os fiéis fazem durante o trajeto.

VEJA TAMBÉM
Doria faz convite para 'Marcha para Jesus 2017' de São Paulo

Em entrevista à Folha de São Paulo, Estevam Hernandes comentou sobre os casos de corrupção do país que revelaram grandes nomes da política.

“É por isso esse clamor, por isso oramos para que a corrupção tenha um fim. Ela [corrupção] destrói o ser humano, tira suas expectativas e seus sonhos”, disse ele sem citar nenhum político.

O religioso entende que esse clima de desanimo e decepção gera a destruição humana. “Eu acho que hoje as pessoas passam por momentos de profunda decepção, em todas as instâncias. Há um profundo desânimo e abatimento sobre as pessoas, o que acaba sendo um campo fértil para a destruição humana, a depressão e o suicídio”.

Falando de forma espiritual, o apóstolo declarou que a nação vive “trevas interiores” e que apenas Cristo pode iluminar a vida das pessoas.  “Jesus ilumina o interior das pessoas, combate as trevas interiores. A falta de paz compromete as pessoas”, afirmou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.