Da Redação JM Notícia

 

Faleceu na última segunda-feira (19) o jovem americano Otto Warmbier, condenado a prisão na Coreia do Norte por “roubar um cartaz do hotel onde estava hospedado”. O cristão de 22 anos foi solto após 15 meses de prisão por estar em coma.

A família de Otto fez uma declaração sobre a morte do jovem dizendo que ele “completou a jornada para casa”. Otto foi enviado aos Estados Unidos sob vigilância médica, ele não conseguia falar, ver ou reagir a comandos verbais.

Otto era cristão e foi preso acusado de roubar um cartaz no hotel onde estava hospedado

Seu estado de saúde mostrava sinais de tortura e maus-tratos. “A tortura e os maus-tratos recebidos pelas autoridades norte-americanas não deram chance a ele”, declararam os familiares.

O pai do jovem fez uma série de denúncias contra o regime comunista da Coreia do Norte, entre elas de negar notícias do filho, além de negligenciar os cuidados médicos necessários. “Não há desculpas para uma nação civilizada ter mantido em segredo a condição dele e ter negado cuidados médicos”, declarou o pai.

VEJA TAMBÉM
Líder cristão é torturado até a morte no Paquistão

As autoridades norte coreanas afirmaram que o jovem contraiu botulismo após o julgamento e entrou em coma depois de ingerir remédios para dormir, mas a família do rapaz contesta tais informais.

Otto foi condenado a 15 anos de trabalhos forçados e estava há 17 meses preso quando entrou em coma e foi devolvido para sua família. O corpo foi transferido para o escritório de um legista que em alguns dias irá informar a causa da morte do rapaz.

Donald Trump enviou condolências para a família. “Os Estados Unidos mais uma vez condenam a brutalidade do regime norte coreano, e lamentam sua última vítima”, declarou o presidente americano.

A Coreia do Norte é o país mais fechado para o cristianismo em todo o mundo, por este motivo ela ocupa a 1ª posição na atual Lista Mundial da Perseguição do ministério Portas Abertas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.