Da Redação JM Notícia

 

A família do pastor canadense Hyeon Soo Lim está preocupada com o estado de saúde dele que está preso na Coreia do Norte após ser condenado à prisão perpétua pelo regime comunista.

Com a morte do jovem americano, os familiares do pastor querem que o governo canadense cobre informações sobre o estado de saúde de Soo Lim, a fim de impedir que ele seja torturado da mesma forma que o Otto Warmbier.

A porta-voz da família, Lisa Pak, fez um comunicado dizendo que eles estão muito preocupados com o que pode acontecer com o pastor. “A família está muito preocupada neste momento e esperam que o governo canadense se esforce em termos de diplomacia ativa e comece a se engajar realmente”, disse ela.

As autoridades do Canadá visitaram Lim em dezembro de 2016, desde então não houve nenhum outro esforço por parte do governo para acompanhar o caso.

Na semana passada os familiares do pastor estiveram em reunião e cobraram uma abordagem nova para impedir que Lim tenha o mesmo fim que o jovem americano, devolvido em coma para a família, sem conseguir sobreviver.

VEJA TAMBÉM
Coreia do Norte ameaça Coreia do Sul e EUA com ataque nuclear preventivo

A resposta foi que o governo do Canadá tentará algo diferente, mas sem fornecer detalhes sobre o que eles farão para impedir a tortura e o maus tratos ao pastor.

“O governo do Canadá está muito preocupado com a saúde, bem-estar e a continuação da prisão do Sr. Lim”, disse o porta-voz da Global Affair Canadá, Jocelyn Sweet. “Nós estados envolvidos ativamente neste caso difícil e estamos trabalhando para garantir a libertação dele”, declarou.

Hyeon Soo Lim serviu uma das maiores igrejas do Canadá, a Igreja Presbiteriana Coreana da Luz, e foi condenado em dezembro de 2015 ao trabalho escravo e prisão perpétua. Isso porque ele, como missionário na Coreia do Norte, foi acusado de tramar contra o regime comunista, crime tratado como “subversão”.

A Igreja Presbiteriana Coreana da Luz afirma que Lim estava na China e chegou na Coreia do Norte para prestar ajuda humanitária, trabalhando em asilos e orfanatos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.