Da Redação JM Notícia

 

A escola cristã Cornerstone, am Alberta (Canadá), não poderá mais ensinar a Bíblia aos seus alunos, pois as autoridades do país consideram o Livro Sagrado como “homofóbico”.

A diretora da escola, Deanna Margel, foi comunicada pela residente da Divisão Escolar ‘Battle River’ (BRSD), Lauri Skori, de que as aulas com a Bíblia deveriam sessar, pois “qualquer Escritura que possa ser considerada ofensiva a indivíduos particulares não deve ser lida ou estudada na escola”.

Askori disse também que é inadequado compartilhar “qualquer ensinamento que possa condenar a orientação sexual de alguém”, se referindo aos trechos da Bíblia onde a prática homossexual é condenada.

Em sua defesa, a diretora do colégio declarou que a proibição da Bíblia fere a liberdade religiosa garantida. “Estamos falando de liberdade de religião, mas também estamos falando de liberdade de expressão”, declarou.

Margel também explicou a importância da Bíblia para a vida cristã. “Precisamos de cada uma das palavras para nos desafiar, para nos chamar a uma maior compreensão sobre a vida. Isso é muito importante”, declarou.

VEJA TAMBÉM
Juiz libera peça com Jesus travesti em Porto Alegre: “irá quem quiser”

O jornal ‘National Post’ informou que no dia 15 de junho a escola e o aconselhou se reuniram para discutir o assunto, cerca de 50 pessoas participaram desse encontro que foi criticado pela presidente da BRSD.

“As ações da sociedade não só prejudicaram nosso relacionamento, mas colocaram nossos filhos, nossa equipe, nossa escola e nossa divisão escolar em perigo”, disse Skori contra a direção da escola.

Essa não é a primeira vez que ela tenta fazer a escola negar seus valores cristãos. No começo do ano Skori, através da sua divisão escolar, fez com que a passagem de 1 Coríntios 6:9-10 fosse removida do site da escola justamente por condenar a homossexualidade.

 

Escola terá ajuda jurídica da JCCF

Os advogados do Centro de Justiça para a Liberdade Constitucional (JCCF) foram procurados para defender a escola nesse processo.

O presidente da JCCF, John Carpay, escreveu uma carta de oito páginas apontando problemas nessa proibição imposta pela Divisão Escolar que ele considera “injustificada e irreal” sobre o ensino da Bíblia e outra linguagem importante para a identidade da Cornerstone.

VEJA TAMBÉM
Pastores declaram apoio a Abílio Santana

“O dever de neutralidade do governo, exigido pelo Supremo Tribunal do Canadá, significa que um conselho escolar não pode determinar se os versículos da Torá, do Corão, do Novo Testamento ou do Guru Granth Sahib são aceitáveis”, afirmou ele.

Carpay declarou também que os curadores podem enviar seus filhos às escolas que se alinham com suas crenças ou convicções, mas “esses curadores não têm o direito de impor sua própria ideologia em escolas com as quais eles não concordam”.

Por e-mail, a BRSD respondeu que manteria sua decisão de impedir o ensino da Bíblia na escola cristã, pressionado a direção para não tentar recorrer da determinação. Com informações  CBN News.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.