Da Redação JM Notícia

 

Nesta segunda-feira (26) os deputados distritais aprovaram o projeto de decreto legislativo que derruba a regulamentação da lei anti-homofobia do Distrito Federal.

A lei que punia com multa estabelecimentos que discriminarem pessoas LGBT foi assinado na sexta-feira pelo governador Rodrigo Rollemberg, gerando grande descontentamento com os deputados, principalmente entre a banca evangélica.

O projeto foi aprovado com nove votos: Bispo Renato (PR), Celina Leão (PPS), Cristiano Araújo (PSD), Delmasso (Podemos), Júlio César (PRB), Rafael Prudente (PMDB), Raimundo Ribeiro (PPS), Sandra Faraj (SD) e Welington Luiz (PMDB).

Foram nove votos a favor, seis contra, oito faltas e duas abstenções

Seis deputados votaram contra, oito estavam ausentes e dois se abstiveram de votar.

“Acordo na política é sagrado, é para ser cumprido. Estamos cumprindo um acordo feito na área reservada para que pudéssemos prosseguir as votações”, explicou Joe Valle, presidente da Casa.

Governador falava em progresso ao assinar a lei

A lei contra homofobia assinada pelo governador estipulava multas entre R$ 5.320,50 a R$ 10.641 a pessoas físicas ou jurídicas que praticassem discriminação por orientação sexual.

VEJA TAMBÉM
Pastor que pisou em bandeira gay será vetado no maior evento evangélico do Chile

Em caso de pessoa jurídica, além da multa o alvará de funcionamento do estabelecimento ficaria suspenso por até 30 dias ou seria cassado.

Quando assinou o texto, Rollemberg afirmou que colocaria Brasília no século XXI. “Temos que semear na cidade a tolerância, o respeito, a generosidade, o amor ao próximo e temo que respeitar as pessoas como elas são”.

A decisão da Câmara, porém, gerou grande decepção do governo com sua base e Rollemberg irá recorrer. “Trata-se de uma atitude ilegal por invadir área jurídica restrita do Executivo, e que não encontra respaldo na realidade dos dias de hoje. O Estado tem que garantir a liberdade de expressão, de credo religioso e o direito de orientação sexual de cada cidadão, evitando qualquer tipo de preconceito e violência”, disse o governo em nota ao G1.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.