Da Redação JM Notícia

 

A informação de que o Governo de Tocantins teria convocado 400 dos 515 candidatos que prestaram o concurso público da Polícia Civil em 2014 está sendo repudiada pela comissão dos candidatos aprovados nesse certame.

Para eles o governo está fazendo propaganda enganosa, pois apenas 248 foram convocados oficialmente para tomar posse, número inferior à quantidade de candidatos aprovados nos testes físicos, psicológicos e no curso de formação e inferior também ao número que está estampado nas propagandas do governo.

De acordo com a comissão, governo estadual publicou no Diário Oficial nº4.865 a nomeação de 53 candidatos aprovados no último concurso público para o provimento de cargos de delegado, 13 médicos legistas, 35 peritos, 63 escrivães, 44 agentes e 26 necrotomistas.

O Governo fala em 400 contratados, mas só 248 foram convocados

Eles cobram uma posição do governo quanto a recolocação dos 267 profissionais aprovados que aguardam há quase três anos para tomarem posse, mesmo com o déficit da Segurança Pública no Tocantins.

“Reconhecemos os esforços do governo em equipar a polícia e melhorar sua infraestrutura, mas para evitar o aumento da criminalidade é preciso de policiais trabalhando”, diz a comissão através de uma nota enviada à imprensa.

VEJA TAMBÉM
MPE instaura inquérito civil para investigar contrato de empresa que administra presídios no Tocantins

A comissão também destaca que esses 267 profissionais que ainda não tomaram posse de seus cargos dedicaram parte de suas vidas para o concurso e que as atividades que eles exercerão são importantíssimas para a qualidade da segurança do Estado.

“É necessário colocar em ação a polícia que investiga, técnica, preparada, que coíbe os homicídios, estupros, formação de quadrilha e demais crimes que tanto assolam os tocantinenses. É preciso dar segurança à população e pra isso é preciso convocar TODOS os aprovados. O povo do Tocantins não aguenta mais tanta violência e tanta mentira”, completa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.