Da Redação JM Notícia

 

O vereador Filipe Martins (PSC) conversou na manhã desta quarta-feira (28) com o prefeito Carlos Amastha, mostrando sua preocupação com o ensino da ideologia de gênero em Palmas.

O município vetou o assunto do currículo das escolas, porém uma ação movida pela Procurador-Geral da República tenta derrubar essa proibição e ensinar sobre questões de gênero para as crianças a partir de 6 anos de idade.

“Na conversa, o prefeito Amastha foi enfático ao dizer que não concorda com o ensino de ideologia de gênero nas escolas, e garantiu que não pretende voltar atrás quanto a Medida Provisória de nº 6, publicada no Diário Oficial do Município, que faz alterações no anexo único da Lei n.º 2.238, que institui o Plano Municipal de Educação”, declarou Martins após o encontro.

O prefeito se mostrou contrário ao ensino da ideologia de gênero nas escolas

Com a decisão do município, o material didático com lições sobre ideologia de gênero, inclusive promoção e condutas, permissão de atos e comportamentos que induzam a referida temática, bem como assuntos ligados à sexualidade e erotização foram proibidos de serem utilizados nas salas de aulas.

VEJA TAMBÉM
"Janot foi infeliz", diz vereador Campelo sobre ação contra Palmas

Mas a ação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deixou Filipe Martins preocupado com que o Supremo Tribunal Federal (STF) poderá decidir.

A ideologia de gênero afirma que ninguém nasce homem ou mulher e que o gênero é uma construção social e cultural. O termo é utilizado pela agenda gay com a explicação de descaracterizar homens e mulheres acabaria com o preconceito contra pessoas LGBT que assumem a identidade e trejeitos de pessoas do sexo oposto ao que nasceram.

Para os defensores desta teoria, uma criança não pode ser considerada do sexo masculino ou feminino, mas somente uma pessoa do gênero humano.