Da Redação JM Notícia

 

Um estudo inédito mostra que a religiosidade na terceira idade promove bem-estar, por ajudar os idosos a encararem as situações da vida com mais otimismo e autoestima.

Elaborada por pesquisadores da Universidade Baylor, nos Estados Unidos, o estudo foi publicado na revista científica “Journal of Ageing and Health” explicando as descobertas realizadas que ligam a religião com a melhoria na qualidade de vida dos idosos.

“O que descobrimos é que a oração pode estar associada a diferentes níveis de bem-estar, dependendo de como você percebe Deus. Em poucas palavras, os benefícios psicológicos da oração para as pessoas parecem depender da qualidade de seu relacionamento com Ele”, declarou o pesquisador Blake Kent em entrevista ao Daily Mail.

Como pesquisador em Ciências Sociais da Universidade Baylor, Kent realizou a pesquisa dividindo os idosos em três grupos: cristãos praticantes, ex-cristãos e ateus. No grupo de cristãos o bem-estar, otimismo, autoestima e contentamento eram mais acentuados que nos níveis de pessoas distantes da religião e nos ateus.

VEJA TAMBÉM
Prefeitura instaura comissão para concurso público da saúde em Araguaína

“Deus é visto como um porto seguro? Então a oração pode ter um benefício. Se Deus está distante ou não é confiável, então, pode ser uma história diferente. Quando você não pode confiar em Deus, a oração não está associada à procura de ajuda e cuidado, mas com incerteza e ansiedade”, declarou o pesquisador.

Porém, Kent declara que a fé deve ser algo genuíno, isso é, não forçado para que possa trazer esses benefícios. Caso contrário, a saúde mental do indivíduo pode ser afetada. “Há uma falsa ideia de que a oração é automaticamente boa para o bem-estar, mas esse não é o caso para todos”, declarou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.