Ponto & Vírgula:por Francisco Vieira

Essa semana um dos mais famosos jornais americanos, o New York Times, publicou um artigo de opinião onde foi dito que se o partido Democrata(que é de esquerda) quiser voltar a ganhar eleições teria que deixar de defender bandeiras do politicamente correto e se mover para o centro. Isso em tese quer dizer que os americanos estão cansados do discurso de vitima, de líderes políticos “certinhos”, fracos, que não enfrentam os problemas de frente, influenciados pela opinião dos outros. Porque será que Trump foi eleito? Porque se mostrou avesso ao politicamente correto. O povo não aguentava mais ser governado por presidente que tinha o discurso perfeito como Obama, mas que por outro lado estava sempre querendo agradar todo mundo. Trump pelo contrário desde cedo assumiu suas posições, mesma elas desagradando a mídia e Hollywood.

Enquanto isso se percebe que aqui no Brasil a moda é políticos, sob a desculpa de serem o novo, negarem que são políticos. É quase que surreal. Como pode um político dizer que não é político e sair criticando outros e usando palavrões para denegrir adversários? Mas na verdade isso tem funcionado, se olharmos para o exemplo em São Paulo e outros lugares onde empresários ganharam as eleições. Esse discurso do novo age no inconsciente das pessoas, que acham que num momento de falência de líderes políticos, esses empresários celebridades, são a solução para o problema do país. Aliado a isso o povo gosta do discurso de negação, do discurso da ostentação, de dizer que é milionário e não precisa do salário de político, que só quer trabalhar pelo povo. As pessoas gostam ainda de líderes fortes, que se impõe, que tem comando. Por isso a tática bastante usada atualmente de xingar adversários, de esculachar com o status quo atual da política.

Então meus caros não se enganem. Tudo na política é planejado, toda ação é feita para agradar aos eleitores. Resta saber se em 2018 se alguma coisa vai mudar. E tenho dito.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.