Da Redação JM Notícia

 

As eleições de 2018 se aproximam e alguns candidatos já começam a sondar pastores para conquistar votos e alcançar os cargos almejados, quer seja para Presidência da República, cargo de governadores, deputados estaduais, deputados federais ou senadores.

Até mesmo pessoas que não compartilham da mesma fé se aproveitam de líderes e fazem trocas por apoio político, chegam nas igrejas com a desculpa de “pedir oração” e no fundo estão pedindo votos.

Ciente dessa prática, o pastor Otoni de Paula escreveu uma nota alertando as igrejas para que tomem cuidado com esses políticos que depois de alcançarem seus objetivos se esquecem das igrejas e não cumprem com o que prometeram.

“Em geral, colocam-se a disposição da comunidade evangélica prometendo até o que não podem cumprir”, alerta o pastor. Otoni de Paula lembra que o ministro da Fazendo, Henrique Meirelles, esteve recentemente na posse de Wellington Júnior como presidente da CGADB. Jornais indicam que ele tentará se candidatar para a Presidência da República.

Como o JM Notícia escreveu recentemente, Meirelles esteve em grandes eventos das igrejas Assembleia de Deus Belém e Madureira nos últimos meses. As duas igrejas juntas contam com cerca de 20 milhões de fiéis e formam a maior denominação do país.

VEJA TAMBÉM
Amastha articula volta de Vandim para base aliada

Mas Meirelles não é o único, João Doria, prefeito da cidade de São Paulo, também tem se cercado de líderes evangélicos. Mesmo dizendo que não tentará a presidência, muitos desses pastores torcem para que o PSDB indique o prefeito para disputar o cargo. Geraldo Alckmin, Governador de São Paulo, também tem se reunido com pastores.

 

Leia a nota do pastor Otoni de Paula:

ELES ESTÃO CHEGANDO!!!

Em geral chegam conduzidos por um amigo que normalmente se beneficia com a vinda deles; Se apresentam sempre com um título honroso, uma patente: Doutor, Juiz, Coronel, Desembargador, Diplomata, Empresários, Dono de Rádios, etc. Gostam de discursar e até impressionam, nos chamam de irmãos, apesar de irmão mesmo, é o pai, a mãe, um parente, a empregada, alguns se tornam crentes, até se batizam, costumam pedir orações e depois de observar como nós nos tratamos uns aos outros, aí alguém ensina as nossas saudações e então começam a nos dar “A Paz do Senhor” proferindo jargões pré-fabricados “O povo merece…Orem por mim, que…” etc. E em geral, colocam-se a disposição da comunidade evangélica prometendo até o que não podem cumprir. Agora vocês imaginam, um deles esteve na posse do Presidente da CGADB, claro, foi reverenciado, pois é Ministro de Estado! Porém nós é que não podemos ser mais enganados, como massa de manobra e muitos principalmente “líderes” até por interesses pessoais os colocam em nossos púlpitos, tribunas e levam os membros de nossas igrejas a votar neles, depois eles somem, até que os vemos com raríssimas aparições, quando não seus nomes se veem em escândalos, corrupções, maracutaias envergonhando os que o apoiaram.

Creio que você já sabe de quem estou falando, claro que toda regra tem exceções, contudo… CUIDADO COM ELES

Pastor Otoni de Paula.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • Silas Silva Ferreira

    – Quando houve o crescimento do Segmento Evangélico pelo IBGE de 2010, muitos Políticos e Empresários se aproximaram por interesse, de conquistar votos, outros para conseguir vender Produtos ou Serviços.
    – Muita estratégia de marketing foi usada. O que antigamente a ICAR se utilizava hoje o meio Protestante faz, seja para conseguir Privilégios de Classe, Barganha Espiritual.