Da Redação JM Notícia

 

Durante a sessão especial da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, o deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ), leu seu parecer como relator sobre o processo de denúncia do presidente Michel Temer pelo crime de corrupção passiva.

A sessão foi bastante tumultuada, deputados da oposição e parlamentares da bancada do governo divergiram sobre os trâmites e alguns se opuseram à leitura do relatório. O presidente da comissão, deputado Rodrigo Pacheco (PMDB-MG) precisou ser firme para dar continuidade aos trabalhos.

Zveiter leu a acusação, a defesa e, por fim, declarou seu voto dizendo que é necessário que o Ministério Público faça as investigações, aceitando também as provas já existentes como a gravação do áudio entre Temer e Joesley Batista, da JBS.

O relator votou pela admissibilidade da acusação formal da Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre corrupção passiva. “Não é fantasiosa a acusação” entendeu o deputado que em sua fala defendeu a sociedade brasileira.

“É preciso que se faça a investigação. São várias as pessoas envolvidas e a verdade precisa ser esclarecida. É necessária a investigação dos fatos. Estão demonstrados na denúncia sólidos indícios da prática delituosa”, completou.

VEJA TAMBÉM
Homenagem à Igreja Universal atrai 1000 pessoas ao Congresso Nacional

O processo na CCJ será longo, os 66 membros e seus respectivos suplentes terão 15 minutos para mostrar se são favoráveis ou contrários à essa decisão. Líderes partidários também serão ouvidos, assim como a defesa do presidente. Só então, quando todos tiverem falado, é que acontecerá uma votação nominal no painel eletrônico.

Se o parecer do relator for aprovado, ele é levado para votação no plenário da Câmara.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.