Da Redação JM Notícia

 

O ensino da ideologia de gênero pode ganhar um novo aliado: um boneco menino que se transforma em menina. É isso que deseja uma empresa canadense que tem buscado apoio na internet para lançar o que eles chamam de “primeiro brinquedo educacional transgênero do mundo”.

Ignorando todas as diferenças biológicas entre homens e mulheres – que não estão ligadas apenas aos órgãos sexuais, a empresa Gender Creative Kids Canadá tentará lançar o “Sam”, que muda de sexo conforme a criança desejar.

A ideia é mostrar que o masculino e feminino não está ligado ao sexo que a criança nasceu, mas sim como ela se sente. Sendo assim, o Sam poderá ser menino quando a criança desejar ou se tornar mulher caso a criança queira.

“Sam é uma ferramenta essencial projetada para ajudar as crianças a entenderem o que significa crescer como uma criança transgênero”, diz o site que tenta arrecadar dinheiro para o investimento pelo Kickstarter.

“A aprendizagem baseada no jogo não é apenas aceita como uma das melhores maneiras de ensinar as crianças, mas também cria oportunidades naturais para um adulto iniciar uma conversa sobre como é ser atribuído a um sexo ao nascer que não corresponde ao que você sente por dentro”, afirma a empresa.

VEJA TAMBÉM
Entidades cristãs se manifestam contra o casamento gay no Panamá
Como menina o boneco fica triste, quando se torna menino, ele fica feliz| . Kickstarter

O site Daily Beats descreveu o brinquedo como sendo uma “ figura de uma garota de aparência extremamente infeliz para um menino sorridente e realizado à medida que cada nova camada do brinquedo surge”.

Ou seja, o brinquedo é uma menina infeliz que se sente realizada quando se transforma em menino e o próprio governo do Quebec tem ajudado a financiar a produção em larga escala do boneco Sam.

As autoridades canadenses estão aprovando o ensino da ideologia de gênero, inclusive no país há uma lei que permite retirar os filhos de pais que não aceitem a tal ideologia. Com informações Christian Post.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.