Da Redação JM Notícia

 

Durante os debates da 69ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), o professor Ricardo Mariano, da Universidade de São Paulo (USP), afirmou que os conflitos político-religiosos continuarão no país.

O vice-coordenador da pós-graduação em Sociologia da USP criticou principalmente a atuação da bancada evangélica do Congresso Nacional que tem impedido o avanço de pautas progressistas, como a adoção de crianças por homossexuais, o ensino de ideologia de gênero e a distribuição de materiais didáticos sobre homossexualidade para crianças a partir de 6 anos de idade.

Fazendo um traço com o passado, Mariano lembrou que nos séculos 19 e 20 os cientistas sociais acreditavam que a modernização minaria a necessidade de explicação religiosa e levaria à secularização de todos os aspectos da vida humana. Mas isso não aconteceu.

“Nos últimos 30 ou 40 anos, o ativismo religioso tornou-se um fenômeno global. E constatou-se que o processo de secularização foi, na verdade, resultado de lutas políticas e ideológicas intensas”, declarou o professor da USP.

VEJA TAMBÉM
Deputados derrubam lei que pune homofobia no Distrito Federal

No Brasil, com mais de 60 milhões de evangélicos, sendo 70% deles de igrejas pentecostais, a visão política conservadora tem se alastrado e presença dos parlamentares evangélicos tem se tornado cada vez mais importante.

“Até os anos 80, os evangélicos eram claramente anticomunistas e apoiaram a ditadura militar, mas não se envolviam na política parlamentar. Na Constituinte que gerou a Carta de 1988, no entanto, já se formou uma bancada no Congresso Nacional, em defesa da família e em oposição ao aborto. Eles se aliaram ao Centrão e aos ruralistas”, disse Mariano.

Atualmente com 90 deputados federais, a bancada evangélica continua se posicionando como conservadora e contra a esquerda, como explicou o professor citando deputados evangélicos como Marco Feliciano (PSC-SP) e o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

“Parlamentares como Feliciano e Cunha são responsáveis por ações como o bloqueio à iniciativa do Ministério da Educação de fazer campanha contra a discriminação de teor sexual nas escolas. O material da campanha acabou ficando conhecido como ‘kit gay’”, exemplificou Ricardo Mariano.

VEJA TAMBÉM
Câmara debate direito a licença maternidade de bebê prematuro e aborto

 

Bancada evangélica é reação defensiva

Professora Fernanda Sobral, e o sociólogo Ricardo Mariano na 69ª Reunião Anual da SBPC| Foto: Pietro Sitchin/SBPC

Para Ricardo Mariano, a pauta evangélica no Parlamento é reação defensiva a transformações socioculturais e políticas, representadas por feministas e pela comunidade LGBT. “Ficam demonstrados mal-estar e indignação contra o avanço do pluralismo cultural e a diversidade de modos de vida e de arranjos familiares”, enfatizou.

O professor acredita que os parlamentares evangélicos “emperram projetos de leis dos dois lados” por gerar impasses no Parlamento.

Outro problema levantado por Mariano é a aproximação da bancada evangélica com ruralistas e com nomes como o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) que defende o armamento da população.

“Por essas e outras razões, o ativismo político evangélico tem sido contestado pelos defensores dos direitos humanos, que o acusa de fundamentalista e de representar risco para a democracia e para a valorização da competência técnica e científica”, afirmou Mariano.

“Os grupos políticos evangélicos tratam a política como um ministério religioso, uma forma de evangelizar e impedir a influência ‘demoníaca’ sobre as instituições e os comandantes da nação”, concluiu o pesquisador. Com Informações SBPC na UFMG.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.