Da Redação JM Notícia

 

A guerra promovida pelo terrorismo deixou o Iraque e a Síria em situação de calamidade e as minorias religiosas foram as que mais sofreram com este cenário de destruição e medo.

Milhares de cristãos foram expulsos de suas casas pelos soldados do Estado Islâmico que mataram pais de família e jovens, violentaram e sequestraram mulheres e não pouparam nem mesmo as crianças que foram levadas como escravas.

A Portas Abertas lembra que o Estado Islâmico não é a única fonte de perseguição dirigida aos cristãos daqueles países. Até antes do início da guerra do Iraque em 2003 e do início da guerra civil da Síria em 2011, os cristãos não experimentavam plena liberdade de religião ou crença.

Crianças oram em igreja destruída na Síria

Contudo, o momento atual contribuiu para o aumento do assédio e da violência, vinda tanto do governo como das forças de grupos extremistas. Cristãos estão enfrentando situações terríveis na tentativa de fugir da perseguição e da guerra.

A vida é sempre difícil em campos de refugiados, seja dentro ou fora do país. Em um campo de refugiados no Líbano, um pai compartilhou: “Você foge para sobreviver e manter suas crianças salvas, mas isso é geralmente tão difícil quanto em campos de refugiados, uma vez que pode ser duro encontrar o suficiente para comer e também proteger principalmente nossas jovens filhas de tentativas de violência e rapina”.

VEJA TAMBÉM
Peça com Jesus transexual é cancelada em Jundiaí e ovacionada em Rio Preto

É num cenário de incertezas que o trabalho da Portas Abertas se torna tão necessário, primeiro para estar fisicamente com os cristãos perseguidos, orando por eles e garantindo que o corpo de Cristo ao redor do mundo não se esqueceu deles.

“Depois, levamos nosso apoio, quer sejam alimentos e cobertores, sustento, fonte de renda, ou nos comprometendo a defendê-los para colocar um fim em sua incerteza e exílio”, diz o ministério que deseja manter viva a esperança daqueles irmãos que sofrem.

Pensando no futuro dos cristãos sírios e iraquianos, o ministério Portas Abertas criou uma petição online para levar esperança de um futuro melhor aos irmãos que sofrem nesses países. “Esta petição é uma maneira prática de apoiar os cristãos na Síria e no Iraque neste momento de maior necessidade”, diz o comunicado da instituição.

A petição será direcionada ao secretário-geral das Nações Unidas fazendo três pedidos:

  • Garantir que a estrutura atual e futura da Síria e do Iraque promova e proteja os direitos de igualdade e inalienabilidade de todos os cidadãos de maneira completa, independentemente de raça, religião ou status.
  • Assegurar a dignidade e contínuo progresso das condições de vida de todos os cidadãos, em especial aos refugiados e deslocados internos que estão retornando aos seus países –fornecendo a eles moradia adequada, educação e emprego.
  • Identificar e equipar líderes e organizações cristãs para desempenhar um papel central na reconstrução das sociedades síria e iraquiana.
VEJA TAMBÉM
Estado Islâmico reivindica assassinato de cristão no Egito

 

Assine agora mesmo a petição: www.portasabertas.org.br/peticao

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.