Da Redação JM Notícia

 

Na próxima quarta-feira (2) os deputados federais voltam do recesso prontos para votarem na denúncia contra Michel Temer. Enquanto o governo distribui emendas para comprar o voto dos parlamentares, fica a dúvida: como votará a bancada evangélica?

O deputado federal Cabo Daciolo também quer saber como os deputados irão votar e pede que o povo evangélico fique de olho na bancada religiosa, pois ela poderá fazer a diferença na votação.

O parlamentar pelo PTB, está em jejum e convoca os brasileiros para uma campanha de oração. “Que nós viemos a levantar um clamor, para que Deus possa dar vitória à nação”.

Daciolo, que está em seu primeiro mandato, declara que nesse tempo não viu nada que beneficie ao povo, apenas aos próprios políticos. “Tem uma quadrilha instalada aqui dentro”, declarou. “Por incrível que pareça, quando o Congresso está fechado é aí que o povo está protegido”.

A lista com os nomes dos deputados que fazem parte da Frente Parlamentar Evangélica tem 198 nomes, mas não está atualizada desde 2015.

VEJA TAMBÉM
Ataídes Oliveira afirma que já há 56 votos pró-impeachment no Senado

A forma como a maioria desses parlamentares irá votar pode definir se Temer será denunciado e passará pelo processo de impeachment ou não.

“Eu queria pedir para que você ficasse de olho naqueles homens dizem ser evangélicos, que dizem ser cristãos e vê como eles irão votar”, declarou Daciolo.

A proposta dada pelo parlamentar é que haja uma intervenção constitucional para convocar novas eleições para que todos saiam, não apenas o presidente mas também os 513 deputados. “Tem que sair todo mundo”.

 

Assista:

INTERVENÇÃO CONSTITUCIONAL JÁ!CONVOCAÇÃO DE ELEIÇÕES ANTECIPADASFORA TODOS OS 513 DEPUTADOS,81 SENADORES E O PRESIDENTE DA REPÚBLICA!COMO VOTARÁ A BANCADA EVANGÉLICA?JUNTOS SOMOS FORTESNEM UM PASSO DAREMOS ATRÁS DEUS ESTÁ NO CONTROLE

Publicado por Deputado Cabo Daciolo em Quinta-feira, 27 de julho de 2017

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.