Da Redação JM Notícia

 

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras 12 pessoas se tornaram réus pelo caso do sítio em Atibaia após a decisão do juiz Sérgio Moro.

O julgamento foi feito nesta terça-feira (1º) e o juiz aceitou a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) que afirma que Lula recebeu propina proveniente de seis contratos firmados entre a Petrobras e a Odebrecht e a OAS.

Esses valores eram repassados para o ex-presidente em reformas realizadas no sítio, melhorias que totalizaram R$ 1,02 milhão.

O sítio em Atibaia não está no nome do ex-presidente, mas no nome dos empresários Fernando Bittar e João Suassuna, sócios de Fábio Luiz Lula da Silva, filho do ex-presidente.

Mas pela investigação da força-tarefa da Operação Lava Jato, há uma série de elementos que comprovariam que o sítio pertence ao ex-presidente. Entre as provas estariam bens pessoais e roupas. Fora isso, há provas de que entre 2011 e 2016, Lula esteve no local cerca de 270 vezes.

“Presentes indícios suficientes de autoria e materialidade, recebo a denúncia contra os acusados acima nominados”, decidiu Sérgio Moro que recentemente condenou Lula pelo caso do triplex no Guarujá.

VEJA TAMBÉM
Ex-presidente Lula critica conservadorismo e 'concepção retrógrada' do país

Os 13 réus do processo são: Rogério Aurélio Pimentel, Alexandrino de Salles Ramos de Alencar, Jose Adelmario Pinheiro Filho, Carlos Armando Guedes Paschoal, Marcelo Bahia Odebrecht, Emyr Diniz Costa Junior, Roberto Teixeira, Agenor Franklin Magalhaes Medeiros, Fernando Bittar, José Carlos Costa Marques Bumlai, Emilio Alves Odebrecht, Paulo Roberto Valente Gordilho, Luiz Inácio Lula da Silva.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.