Da Redação JM Notícia

O bispo Antônio Carlos Cruz Santos, titular da diocese de Caicó, no Rio Grande do Norte, precisou explicar através de uma nota oficial o que ele quis dizer ao afirmar que a homossexualidade “é dom de Deus”.

Ele foi bastante criticado pelos católicos de todo o país por conta do que diz o Catecismo da Igreja ao afirmar, nos parágrafos 2357-2359, que os homossexuais devem viver em castidade e renunciar a si mesmo.

Ao se explicar, Dom Antônio afirmou que queria salvar vidas com a pregação do último domingo de julho. “Minha intenção é de salvar vidas, contribuindo para que possamos superar os preconceitos que matam”.

Ele afirmou que estava preocupado com o alto índice de suicídio registrado na região de Seridó (RN) e queria abraçar quem sofre por ser homossexual. “Dentro do contexto, abordei o tema dos irmãos e irmãs com orientação homoafetiva, procurando enxergá-los de uma forma evangélica, por isso me dirigi aos que sofrem por causa desta condição”, pontuou.

VEJA TAMBÉM
'Os conservadores estão saindo do armário', reclama ativista LGBT

Ainda segundo ele, homossexualidade não é opção, mas sim uma condição. “Em geral, a orientação sexual não é uma opção, pois em determinado momento da vida a pessoa se descobre com esta ou aquela tendência. Opção é a forma como a pessoa viverá essa orientação”.

Ainda na nota, ele falou que tem inspiração no Papa Francisco para abordar este tema. “As pessoas já sabem de cor a doutrina da Igreja sobre aborto, divórcio e atos homossexuais. Ele [papa] pede de nós que não fiquemos obcecados em sempre insistir no pecado, aumentando a ferida cada vez mais dessas pessoas, mas insistamos que a igreja está de portas abertas para acolher, instruir, discernir, amar a fim de levar a salvação a todos sem exceção”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.