Da Redação JM Notícia

O vereador Filipe Martins (PSC) utilizou a tribuna nessa quarta-feira, 10, para repudiar a ‘Caravana da diversidade sexual e gênero’ que será realizada pela Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju). A proposta da caravana seria “envolver as comunidades escolares, prioritariamente” para abortar temas ligados à diversidade sexual e ideologia de gênero.

Martins acredita que esses temas são assuntos relacionados à família, pois cabe aos pais à educação moral dos filhos. Na visão do vereador, esse tipo de programação está sendo usada para levar informações inverídicas às crianças e adolescentes do estado.

“A máquina pública está sendo usada de forma errônea nesse sentido. As prerrogativas da educação do nosso estado são bem conhecidas dos profissionais da educação. Uma matéria que já é vencida, pois foi unânime que a sociedade é contra a ideologia de gênero. Esse é um momento em que a sociedade juvenil do nosso estado está precisando de emprego e oportunidade e não de ideologia de gênero”, declarou.

VEJA TAMBÉM
Deputados aprovam criação da Escola do Poder Legislativo e outras propostas

Ao ouvir a declaração de Filipe Martins, o vereador Diogo Fernandes (PSD) pediu a parte no discurso e concordou com o que o parlamentar falava. “Acho que essas discussões de diversidades sexuais não devem ser, de maneira alguma, levadas às escolas pelo estado”, disse.

Quem também comentou sobre o tema foi o vereador Moisemar Marinho (PDT) que aproveitou o momento para criticar a iniciativa do estado. “A intervenção estatal é uma violação de um direito constitucional e do estatuto da criança e adolescente. Já existe a Biologia que trata sobre isso dentro do conteúdo programático, então não há necessidade dessa intervenção. Parabéns por levantar essa questão no parlamento”, pontuou.

O vereador Rogério Freitas (PSDB) também entrou no tema e  reforçou que a educação é papel da família e que esse não seria posicionamento exclusivo dos evangélicos. “A bancada católica foi bem atuante e chega a ser intransigente nos temas relacionados à família. Filho meu quem educa sou eu, não o estado. Essas abordagens em escolas tem o meu repúdio”, criticou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.