Da Redação JM Notícia

A proposta aprovada na Comissão da Reforma Política na semana passada determina que serão eleitos para o Legislativo os candidatos com mais votos em cada Estado, acabando assim com o sistema proporcional.

Para muitos especialistas, o chamado “distritão” pode impedir a renovação política e dar vantagens para favorecer a bancada evangélica, segmento que tem aumentado a sua representação na Câmara Federal e também nas Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais.

Janio Freitas, colunista do jornal Folha de São Paulo, criticou esse projeto da reforma política. “Essa é outra reforma para pior. E não menos perigosa do que a anterior. Exige tempo e debate”, declarou.

O jornalista se preocupa principalmente com a vantagem que líderes religiosos terão mas eleições, pois para ele, organizações fortes sairão ganhando.

O professor de Direito Constitucional da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo Luiz Guilherme Arcaro Conci, em entrevista ao jornal O Globo, também se colocou contra esta proposta.

“O distritão me parece ser um grande desperdício. Teremos em São Paulo deputado eleito com 3 milhões de votos, o que leva a uma menor chance de renovação”.

VEJA TAMBÉM
Alckmin diz que apoia entrada de Luciano Huck para a política

Para ele, o modelo novo irá privilegiar as caras já tradicionais da política, como deputados mais velhos e com muitas eleições ganhas, os filhos de políticos, e parlamentares com curral eleitoral consolidado.

Entre os campeões de voto das eleições passadas temos nomes como Tiririca (PR-SP), Celso Russomano (PRB-SP), pastor Marcos Feliciano (PSC-SP) e Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Esses, que já possuem base política e um grande número de eleitores, continuarão se reelegendo caso o “distritão” seja aprovado no Congresso.

“É um retrocesso grande. No modelo estabelecido agora os partidos perdem fortemente a importância. Nós faremos as eleições para deputados estaduais e federais e vereadores como ‘corridas individuais’. Isso pode fomentar a ocupação de um vazio por celebridades, que vão entrar nesse processo não pela trajetória política, mas sim por ocuparem espaço na TV, no esporte ou nas igrejas”, afirmou o professor.

Fim do puxador de votos

No modelo atual, os mais votados puxam votos para que candidatos com menos votos consigam se eleger pela proporcionalidade partidária. Com a nova regra isso não aconteceria mais.

VEJA TAMBÉM
Curitiba: Vereador quer ampliar isenção de IPTU para igrejas

Mas na prática não mudaria muito, pois dos atuais 513 deputados federais eleitos pelo atual sistema de eleição em 2014, 467 deles (91%) conquistariam da mesma forma uma cadeira na Câmara se já estivesse em vigência naquele pleito o distritão.

Quem sofreria com esse modelo seriam os partidos menores que não poderiam se valer de um puxador de votos para colocar outros representantes dentro das Câmaras e Assembleias Legislativas.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • EDUARDO MARTINS

    Será?