Da Redação JM Notícia

A Comissão Constituição, Justiça e Redação (CCJ) da Câmara Municipal de Palmas, aprovou nesta terça-feira (15) o projeto de Lei de autoria do vereador Tiago Andrino (PSB) que institui a Semana da Promoção da Fé e Cultura Gospel.

O projeto de lei determina que a semana comemorativa aconteça nos dias de Carnaval, e o evento passa a figurar no calendário oficial do município de Palmas, sendo uma das comemorações do período.

“Esse projeto nasceu do sucesso que tem sido o Capital da Fé, sob todas as perspectivas. É um evento da família, do turismo e do lazer, que movimenta a economia da nossa cidade e promove uma semana de festividades sem prejuízos para a segurança e a saúde do nosso povo”, disse.

Ainda segundo Andrino, “esse projeto permitirá que deixe de ser uma política de gestão para ser uma política de estado e garantirá a continuidade da ação”. O vereador destacou ainda que o projeto consolida a luta pela vida no trânsito, contra a pedofilia e a violência. Todos esses índices foram reduzidos por conta da Capital da Fé.

VEJA TAMBÉM
Fasec lança pós-graduação de Gestão das Cidades e Processo Civil

“Esse é um evento que só traz benefícios e não traz nenhum efeito colateral, como outros que depois ficam as contas de famílias destroçadas, de morte, de gravidez indesejada, acidentes de trânsito, um custo enorme de segurança, dado a possibilidade de ataques e violência de toda ordem. E um evento como esse, gigantesco, não tem custo nenhum após a realização, pelo contrário”, reforçou o parlamentar, que lembrou ainda que a música gospel foi reconhecida como manifestação cultural através da Lei 12.590/2012.

Depois de ser aprovado na CCJ, o projeto de lei agora segue para a votação no plenário, ainda sem data definida. O projeto de Lei tem como finalidade divulgar a cultura gospel, fomentar a política pública permanente do turismo sustentável, a promoção da paz, e consagrar Palmas como a Capital da Fé, com a realização de eventos e diversas finalidades.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.