Da Redação JM Notícia

Tudo indicava que o pastor Silas Malafaia apoiaria a candidatura do deputado Jair Bolsonaro à Presidência em 2018. Contudo, o religioso passou a usar as redes sociais para dizer que o parlamentar é “radical e desonesto intelectualmente”. 

Malafaia foi o pastor que celebrou o casamento de Jair Bolsonaro e sua atual esposa, Michelle, e por muitos anos defenderam as mesmas pautas conservadoras como o fim do “kit gay”, a não descriminalização do aborto, entre outros. 

Mas o bom relacionamento entre os dois acabou quando o deputado federal resolveu trocar o PSC pelo Patriotas (antigo PEN). Quando ficou sabendo da troca de partido, Malafaia afirmou que Bolsonaro estava dando “um tiro no pé e na cabeça”. 

“Se fizer isso, Bolsonaro não vai dar um tiro no pé, vai dar um tiro na cabeça. Mas, pensando bem, é bom para o ser humano lidar com a contrariedade. Ele faz tudo sozinho, precisa se deparar com o contraditório. Se ele não consegue lidar com coisas pequenas, como dialogar com partido, imagine com as grandes questões”, falou Malafaia. 

O ponto alto do desentendimento foi uma montagem feita por apoiadores de Bolsonaro que inventaram uma fala do pastor contra o prefeito de São Paulo, João Doria. Possível candidato que Malafaia irá apoiar nas eleições de 2018, ainda que Doria negue a intenção de disputar a Presidência. 

Quando tomou ciência dos boatos que corriam nas redes sociais usando seu nome, o pastor presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo tratou de preparar um vídeo criticando os apoiadores de Bolsonaro que inventaram uma “fake news” (notícias falsas) sobre Doria. 

Malafaia então critica a extrema direita e afirma que ela é igual a extrema esquerda. “A extrema-direita é tão vagabunda quanto a extrema-esquerda, usa as mesmas táticas dos petralhas: boataria, difamação”, declarou o pastor que depois compartilhou uma série de vídeos desmentindo que Doria seria a favor do aborto e contra o projeto Escola Sem Partido. 

Assista:

VEJA TAMBÉM
Henrique Meirelles não descarta ser o candidato do governo Temer