Da Redação JM Notícia

O procurador federal na Advocacia-Geral da União, Cleiton Bandeira, confirma que é pré-candidato para disputar as eleições de 2018 para o cargo de governador do Estado de Tocantins. 

Bandeira pediu desfiliação do PSDB e participará das eleições sem partido, uma decisão que exigirá dele formas de fazer com que Justiça brasileira aceite um candidato que não esteja filiado. 

Para conseguir isso, o procurador pretende ajuizar ações no Poder Judiciário para que seja assegurado o direito de qualquer cidadão registrar candidatura nas eleições de 2018 sem está filiado a partido. 

“A previsão do Código Eleitoral do requisito da filiação partidária viola a Convenção Americana sobre Direitos Humanos que assegura a todo cidadão deve gozar do direito de votar e ser eleito, bem como de ter acesso em igualdade de condições às funções públicas de seu país, sem restrições infundadas”, explica ele. 

 

Desejo de mudar o sistema político 

A pré-candidatura de Bandeira tem como missão é contribuir para melhorar as instituições políticas e com isso mudar a vida das pessoas. “A corrupção mata indiretamente muitos brasileiros todos os dias, pela falta de saúde, segurança e educação”, diz ele. 

O procurador se compromete e mudar esse quadro conscientizando os eleitores. “Nossa pré-candidatura, que será sem partido, é um manifesto para chamar a atenção dos cidadãos sobre a importância do poder que eles têm de promover essa renovação por meio do voto consciente”. 

As propostas que ele terá para o estado serão escritas após ele estudar os principais problemas de Tocantins. E Cleiton Bandeira também se prepara para lançar um movimento pela independência política no Tocantins, aproveitando o feriado do dia 7 de setembro. 

“Convido os tocantinenses a se juntarem a este projeto que visa superar a fase das oligarquias e do monopólio da representação política”, declara. 

O projeto de governo de Bandeira será escrito ouvindo os tocantinenses e entendo as principais dificuldades da população. “Desde logo entendemos que o Estado precisa de um choque de gestão que foque em redução dramática da máquina pública, diminuição de impostos, menos burocracia, incentivo ao empreendedorismo e a meritocracia no serviço público. O protagonismo econômico tem que deixar de ser estatal para ser da iniciativa privada. O Estado deve focar em suas atividades essenciais”. 

Cleiton Bandeira é natural de Tocantinópolis, filho de carteiro e neto de lavrador, o jurista reside em Palmas, cidade na qual fez o ensino médio pelo sistema EJA e formou em Direito pela Universidade Federal do Tocantins. Atua como procurador federal na Advocacia-Geral da União. Foi candidato a vereador da capital em 2016 numa campanha que se notabilizou pelo forte discurso contra à corrupção, falando de ética na política e voto consciente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.