Da Redação JM Notícia

 

O pastor Abílio Santana gravou um vídeo para comentar o resultado da primeira audiência sobre o processo de injúria e difamação movido contra ele pelos autores da Bíblia “Graça sobre Graça”, mais conhecida como “Bíblia gay”.

A audiência aconteceu na manhã desta terça-feira (12) em Salvador e o pastor saiu da sala declarando sua vitória. Sem dar detalhes sobre o caso, Abílio declarou: “A primeira etapa, pode escrever aí em baixo, vencemos! Deus é fiel!”.

Pastor Abílio Santana em frente ao Fórum na manhã desta terça-feira.

Os autores do processo, Jefferson Raphael Caetano Lira e José Marvel Queiroz de Sousa não compareceram na audiência. Eles afirmaram no processo que ficaram com medo de saírem nas ruas por conta das críticas que o pastor fez à chamada “Bíblia gay” e ainda declararam que as editoras perderam o interesse em publicar o livro comentado por eles.

Em entrevista ao JM Notícia, o advogado do pastor, Dr. Marcelo Brunner, comentou que processo poderá ser arquivado e que uma nova audiência foi marcada para o dia 31 de outubro. Ainda de acordo com Brunner, depois que o processo for arquivado ele vai ingressar com uma ação contra os autores da “Bíblia gay”, pois o processo gerou desgaste emocional e profissional, porque o pastor teve que cancelar várias agendas para se dedicar ao caso.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • Pingback: Autores da "Bíblia gay" dizem que não retiraram versículos do livro - JM NOTÍCIA()

  • João Carlos

    Porque não investigar a SBB que autorizou essa tradução e outras aberrações, sendo coerente com o Pecado abominável homossexualismo e lesbianismo. SBB quem lhe deu o direito de adulterar a Santa Escritura de engodar o povo com várias traduções pra se enriquecer ao seu bel prazer.

    • EDMARIO BRITO – SERVO DE DEUS

      Muito forte, essa denúncia! Eu não atinei para isso. Se a SBB estiver envolvida os líderes das igrejas devem pedir esclarecimentos.

    • Sergio Mamede

      João Carlos, eu não creio que a SBB tenha autorizado alguma coisa, primeiro porque não cabe a ela autorizar alguém a fazer uma tradução da Bíblia, quem quiser pode fazer é só comprar as publicações dos originais em Hebraico e Grego, a SBB pode autorizar ou não o uso do material que é de propriedade dela, isto é os “copyright” das traduções e versões que ela produz, e em segundo lugar a Bíblia Comentada Graça sobre Graça, não é uma tradução, mas uma adulteração, que pelo que parece, e esta relatado na própria matéria acima, não tem nenhum editor interessado em publica-la.

      • João Carlos

        É notório que em nosso País tem muitas traduções pela SBB que é uma organização sem fins lucrativos, mas por interesse peculiar. O interessante que a SBB autorizou uma bíblia chamada Telles cantor gospel hoje afastado da mídia por escândalo. Outrossim porque não traduzem a King James American fiel a Santa Escritura aramaica em inglês. A Bíblia está em domínio público. Ou seja, qualquer um pode publicar sem pedir autorização para isso. Mas só se traduzir direto dos originais em aramaico, grego e hebraico ou de uma tradução que não esteja protegida por direitos. “Os tradutores são considerados como autores porque são responsáveis pela obra Divina Os direitos patrimoniais podem ser de uma editora (durante o contrato de edição), de outra pessoa jurídica ou até de uma pessoa física. Nada impede que um autor faça uma nova tradução da Bíblia, baseada na original ou em versão que está em domínio público, sem distorções, edite e receba por isso. O que é comum também é ceder os direitos autorais para a Igreja ou associações que buscam difundir o evangelho no sentido de deturpadar a Santa Escritura corroborar com o engodo Aí o beneficiado vai receber o dinheiro. O brasil é ainda escravo da igreja romana que detem poder a Santa Escritura é de poder Divino.

        • Sergio Mamede

          João Carlos, me parece pelo seu comentário que você não entende corretamente o que é o trabalho de tradução bíblica nem o que são os “originais”, aconselho você a ler um pouco sobre o assunto, mas procure fontes que tenham autoridade para isso, sem conceitos pré-concebidos, fontes que saibam exatamente o que estão falando, não acredite em qualquer publicação, principalmente da internet, sem antes ter certeza que se trata de uma fonte segura.
          Leia um pouco sobre critica textual, exegese, hermenêutica, procure se inteirar um pouco sobre as diferenças entre as traduções, porém de forma técnica, sem essas baboseiras de que em uma falta uma palavra ou tem uma virgula a mais, ou então que usa palavras diferentes do que você está acostumado a ler na versão que você gosta, procure saber a diferença entre uma tradução e uma versão.
          Eu não sei de que região do Brasil você é, mas eu sei que praticamente em todo o território nacional temos boas escolas teológicas, procure uma faça um curso, mesmo que seja básico, tenho certeza que lhe será de grande ajuda para que você compreenda uma pouco melhor sobre o assunto.
          Meu desejo não é criar atrito com você, por isso desejo que seu entendimento seja aberto, e você verá quanta coisas maravilhosas estão sendo realizadas na área da tradução bíblica.
          Um abração fraternal,
          Em Cristo,
          Sergio Mamede

  • Sergio Mamede

    Como eu tinha quase certeza de que a SBB não compactuaria com isso, fui atrás e constatei,

    não existe autorização ou envolvimento da SBB na publicação deste livro denominado Biblia Comentada Graca sobre Graca.

    Vejam a nota de esclarecimento da SBB:

    “Com referência à edição da Bíblia denominada Graça sobre Graça, temos a esclarecer o seguinte: a Sociedade Bíblica do Brasil é uma entidade criada pelas igrejas cristãs. Ela, em sua linha editorial, segue o que sua Diretoria orienta. Temas polêmicos não fazem parte da linha editorial da SBB. Quando recebemos o pedido para cedência do texto para publicar esta Bíblia, o trâmite interno foi normal, como seguido para cada pedido de texto que recebemos. O título da Bíblia não esclarece que seu teor estaria ligado à teologia inclusiva. Quando soubemos que o referido título se referia ao tema que veio à público, imediatamente rompemos o contrato. Este contrato que lhe enviaram não tem, portanto, vigência. Continuamos afirmando que este tema não fez e não faz parte da linha editorial da SBB”
    https://noticias.gospelmais.com.br/sbb-contrato-biblia-gay-rompido-78023.html

  • Pingback: Ministério Público pede para assumir caso de Abílio Santana e "Bíblia Gay", pastor será investigado por crime de injúria racial - JM NOTÍCIA()