Da Redação JM Notícia

O site do ministério Portas Abertas informou que o regulamento de assuntos religiosos da China foi revisado e que dará maior liberdade aos cidadãos chineses que tanto sofrem com as pressões do regime comunista.

O primeiro-ministro Li Keqiang assinou o decreto que deve entrar em vigor em 1º de fevereiro de 2018, visando  proteger a liberdade de crença dos chineses e manter a harmonia religiosa e social.

Esse regulamento irá garantir a liberdade de religião, respeitando as atividades religiosas legítimas e impedindo as práticas consideradas ilegais ou extremas pelo governo.

Na China os grupos religiosos nacionais e locais têm o direito de ajudar o governo em todos os níveis na implementação de leis, regulamentos, regras e políticas. Eles ajudam a garantir os direitos legítimos dos cidadãos com diferentes crenças, orientando assuntos religiosos, pesquisando suas culturas e realizando educação e treinamento religioso.

Só as igrejas nacionais e locais que possuem o direito de fazer grupos de estudos, como seminários, por exemplo, e as denominações internacionais sofrem para conseguir autorização para funcionar naquele país.

VEJA TAMBÉM
Pesquisa afirma que religiosidade faz bem para idosos

Os locais para as atividades religiosas também devem ser autorizados pelo governo, como templo, igrejas e lugares fixos. Os demais locais devem ser determinados pelos departamentos de assuntos religiosos administrados pelos governos locais.

Todos os membros das instituições religiosas na China devem ainda aceitar a orientação, supervisão e inspeção dos governos locais. Essas pessoas são chamadas para fortalecer a gestão interna, melhorar o sistema de gestão de pessoas, finanças, ativos e outros aspectos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.