Da Redação JM Notícia

Através de um comunicado interno distribuídos aos seus funcionários, o Banco Santander atacou os críticos que denunciaram as obras expostas no espaço Santander Cultural de Porto Alegre (RS).

Com peças que fazem apologia à pedofilia, à zoofilia e ainda vilipendiam símbolos sagrados para o cristianismo, a mostra ficou exposta por quase um mês até que seu conteúdo passou a ser atacado nas redes sociais, ganhando repúdio em todo o país.

Na nota, porém, esses críticos são chamados de “grupos intolerantes e deturpadores da informação” que estariam promovendo a censura “como não se via desde a ditadura”.

O banco ainda se posiciona favoravelmente à mostra, dizendo que apoia a exposição por acreditar “ser importante dar espaço a temas contemporâneos e questões atuais”, fazendo defesa à comunidade LGBT que seria o público defendido naquela mostra.

Vale lembrar que ao comunicar o cancelamento da mostra, o Santander Cultural declarou que concordava “que algumas das obras a exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas”.

 

Leia o documento na íntegra:

VEJA TAMBÉM
MP sobre ideologia de gênero é enfim aprovada mas órgãos públicos pedem justificativa da prefeitura; ação pode desencadear numa possível derrubada

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.