Da Redação JM Notícia

Homossexuais insatisfeitos com esta condição não podiam contar com o apoio de psicólogos para fazer as chamadas “terapias de reversão sexual” pois o procedimento era proibido pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP).

Mas em uma determinação inédita, a Justiça Federal do Distrito Federal permitiu, em caráter liminar, Justiça Federal do Distrito Federal permitiu, em caráter liminar, que os profissionais atendam gays e lésbicas que procurarem este tipo de tratamento.

A decisão é assinada pelo juiz Waldemar Cláudio de Carvalho que atacou parcialmente o pedido de liminar de uma ação popular que pede a  resolução 01/1999 do CFP que proíbe esse tipo de terapia.

O juiz manteve a resolução, mas determinou que o CFP não impeça os psicólogos de promover estudos ou atendimento profissional, de forma reservada, pertinente à reorientação sexual, sem qualquer possibilidade de censura ou necessidade de licença prévia.

O Conselho não reconhece essas terapias e impede que seus profissionais as realizem. Três profissionais da área já foram julgados por oferecerem este procedimento, mas nenhum foi cassado.

VEJA TAMBÉM
Justiça mantém decisão que impede cobrança de ICMS sobre tarifas de energia

Diretor do CFP fala em retrocesso

Em entrevista à Veja, o diretor do Conselho Federal de Psicologia, Pedro Paulo Bicalho, declarou que a decisão da Justiça é um retrocesso.

“O juiz mantém a resolução em vigor, mas descaracteriza o princípio ético da resolução. Mais do que isso. Ele pede que o Conselho interprete a resolução de outra forma. Mas somente a Psicologia pode dizer como devemos interpretar uma resolução e não o Direito. Da forma como foi colocado, abre um precedente perigoso”, avalia.

Ele declara que a resolução 01/1999 foi elaborada pela categoria com o objetivo de ser um embasamento para práticas que eles consideram antiéticas.

“Essa resolução tem servido como garantia de direitos da população LGBT. Ela é referência mundial e está traduzida em três línguas. Vamos recorrer até a última instância, se for necessário”, declarou.

Projeto “cura gay” pedia o fim a resolução

A decisão judicial é semelhante ao que pedia um projeto de lei de 2011, chamado pejorativamente pela imprensa e ativistas do movimento LGBT de “cura gay”. O projeto, de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO), pedia para suspender a resolução do CFP.

VEJA TAMBÉM
Igreja Universal nega que Edir Macedo seja a favor do casamento gay

Em 2013 a proposta passou com aprovação pela  Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, mas 15 dias depois João Campos pediu o cancelamento da tramitação do texto.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.