Da Redação JM Notícia

mostra queermuseu

O Vereador Filipe Martins (PSC) usou a tribuna nesta quinta feira (21) para repudiar a mostra Queermuseu do Santander Cultural de Porto Alegre que gerou muita polêmica há algumas semanas por conta de algumas obras que abordam a temática LGBT, questões de gênero e diversidade sexuais.

Suspensa por conta de protestos, a mostra foi acusada de mostrar obras ofensivas, com apologia a pedofilia, zoofilia e ataques a valores cristãos e aos bons costumes.

“Faço uso da tribuna para repudiar a mostra Queermuseu do Banco Santander, que aconteceu em Porto Alegre, por meio do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac) que tem como base a Lei Rouanet nº 8.313.  Isso é um absurdo, dinheiro público sendo usado para atacar e ferir diretamente as crianças e a Família tradicional”, disse o vereador.

Filipe Martins foi enfático em criticar as obras mais polêmicas. “Zoofilia, pedofilia e erotização Infantil são algumas das cenas que chocam as famílias, o Brasil é um país cristão e isso é inadmissível, estou perplexo com a falta de pudor da organização Queermuseu”.

VEJA TAMBÉM
Gestão dá exemplo de respeito aos cofres públicos, diz Folha sobre vitória na Justiça contra Santander

Uma das obras que me causou indignação foi a que faz referência ao meme “Criança Viada”, “Criança Travesti” nomes conhecido e apreciado pela comunidade LGBT. “Isso aqui é praticamente prostituição infantil”, declarou o vereador.

Em outro quadro criticado pelo parlamentar foi a pintura de um Jesus Cristo com vários braços (a obra Cruzando Jesus Cristo com a Deusa Schiva, de Fernando Baril).”Essa ofensa ataca todas as religiões que tem Cristo como salvador da humanidade. Até a hóstia pão sagrado para os católicos, foi profanado com os nomes língua e vagina”.

Inconformado, o parlamentar resolveu comentar o caso na tribuna da Câmara. “Não posso me calar diante de um ataque contra os valores da família, cenas de sexo em grupo e sexo com animais estavam a mostra, crianças tiveram acesso a este conteúdo e isso e lamentável, quero deixar minha nota de repúdio a essa exposição”.