Da Redação JM Notícia

Ministério Público pede para assumir caso de Abílio Santana e “Bíblia Gay”,

O Promotor de Justiça Marcelo Gois da Fonseca pediu que o caso do pastor Abílio Santana, movido pelos autores da chamada “Bíblia Gay”, seja encaminhado para a Central de Inquéritos do Ministério Público da Bahia.

Na visão do promotor, as críticas feitas pelo pastor Santana ao conteúdo da Bíblia “Graça Sobre Graça” se enquadram na hipótese de Injúria Racial prevista no § 3º do art. 140 do Código Penal, cuja ação penal é pública condicionada a representação, com pena de um a três anos, o que excede a competência do Juizado Especial Criminal.

No documento apresentado ao JM Notícia pelos pastores José Marvel Queiroz de Souza e Jefferson Raphael Caetano Lira, da Igreja Comunidade Cristã Incluídos Pela Graça (IPEG), o promotor afirma que houve “incitação de intolerância religiosa”, o que configura crime de injúria racial.

“Ademais as ofensas foram através da rede social Facebook o que torna a causa complexa em função de perícias requisições ao Facebook etc.”, diz o promotor no documento assinado em 21 de setembro deste ano.

VEJA TAMBÉM
Abílio Santana declara vitória na primeira audiência do caso "bíblia gay"

O promotor também pede que a audiência marcada para o dia 31 de outubro seja cancelada, lembrando que a audiência fora remarcada pelo não comparecimento dos autores na 5ª Vara do Juizado Especial Criminal do Estado da Bahia.

Entenda o caso

Em março deste ano, o pastor Abílio Santana, fez críticas à Bíblia Gay que seria lançada com comentários do pastor Marvel Queiroz de Souza, da Comunidade Cristã IPEG.

“Você, pelo amor de Deus, quando for comprar uma bíblia fique atento, pois poderá estar dando uma bíblia dos gays de presente para alguém de presente”, foram as palavras de Abílio Santana.

“Nessa Bíblia não consta Levítico, capítulo 18:22, que está escrito:  Não te deitarás com homem como se fosse mulher”, disse o pastor que citou outras passagens Bíblicas que condenam praticas homossexuais.

O pronunciamento na época, teve repercussão nacional, e em consequência, os autores da Bíblia “Graça Sobre Graça” ingressaram com ação criminal contra Abílio Santana, junto à 5ª Vara Criminal  do Estado da Bahia, por Injuria e Difamação.

VEJA TAMBÉM
Procurador cristão é perseguido por falar de Deus em evento para pais

A primeira audiência aconteceu em 12 de setembro, mas os autores da ação não foram notificados a tempo, fazendo com que o juiz remarcasse para 31 de outubro, audiência esta que pode ser cancelada, caso a Justiça aceite o pedido do Ministério Público.

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.