Da Redação JM Notícia
Vereador Moisemar Marinho (PDT)

Exposições realizadas em instituições pelo país afora tem gerado indignação e revolta em grande parte da sociedade. Entre as mais polêmicas, está a exposição “Queermuseu – Cartografias da diferença da arte brasileira, cancelada há 20 dias após receber críticas diversas sobre estar promovendo obras com zoofilia e pedofilia.

 
De acordo com a Ordem dos Pastores Batistas do Brasil, a exposição Queermuseu faz incentivo à pedofilia, zoofilia, prostituição infantil e outros temas ligados à sexualidade humana, afrontando abertamente os valores morais da sociedade bem como os princípios bíblicos que fundamentam a fé cristã, sob o pretexto de incentivo à cultura, patrocinado pelo Banco Santander. 
 
Desta vez, a polêmica envolve a cidade de Palmas, capital do Tocantins, onde o SESC Palmas, vem realizando exposição de artes com o título de “Incertezas Vivas”, promovida pelo Ministério da Cultura, Bienal de São Paulo e Banco Itaú. Segundo o relato de um adolescente de 15 anos, o filme mostra duas mulheres tendo relações sexuais”, declarou o estudante em carta.
 
Por meio de nota, o vereador de Palmas, Moisemar Marinho (PDT), criticou de forma dura à exposição e afirmou que “alunos foram levados para uma exposição com o intuito educativo, quando na realidade foram expostos à conteúdos inapropriados”.
 
Na nota, o parlamentar afirmar estar indignado e que jamais aceitará ações impostas por qualquer instituição e principalmente aquelas que recebem dinheiro público.
 
Marinho também atacou a exposição do 35º Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo, na última terça-feira, 26, que mostra um homem nu interagindo com uma criança: “são uma verdadeira violação do poder familiar”, diz Marinho em nota.
 
CONFIRA A NOTA
 
Diante dos acontecimentos e acreditando nos princípios cristãos e a importância da família, venho publicamente me manifestar contra a atitude de expôr crianças à imagens de pornografia. Alunos foram levados para uma exposição com o intuito educativo, quando na realidade foram expostos à conteúdos inapropriados.
 
A exposição do Sesc de Palmas com o título de “Incertezas Vivas”, promovida pelo Ministério da Cultura, Bienal de São Paulo e Banco Itaú, traz um filme onde duas mulheres mantêm relações sexuais.
 
Por meio desta nota, deixo claro minha indignação. Como parlamentar e pai de família, jamais aceitarei as ações impostas por qualquer instituição e principalmente aquelas que recebem dinheiro público.
 
Outro caso revoltante, é a performance na abertura do 35º Panorama da Arte Brasileira, no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo, na última terça-feira, 26, onde um homem nu interage com uma criança.
 
Nos dois casos, as imagens que circulam nas redes sociais, são uma verdadeira violação do poder familiar.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.