Da Redação JM Notícia

O deputado estadual Eli Borges recebeu apoio de seus colegas na manhã desta quarta-feira (11) após explicar seu posicionamento sobre a polêmica envolvendo a votação para as verbas da duplicação da TO-222.

Por votar a favor do remanejamento de recursos para outros municípios na ordem  R$ 45 milhões que seriam destinados para esta obra, Eli Borges foi criticado por vereadores de Araguaína que rejeitaram o pedido de moção de aplausos para ele, se justificando nesse episódio.

O parlamentar foi à tribuna nesta manhã de quarta-feira, 11, munido de documentos oficiais, mostrando que o valor retirado era “excedente” e não fará diferença no projeto de duplicação da via que irá beneficiar a cidade.

O parlamentar se comprometeu a ir até Araguaína “fazer o debate da honestidade” e provar que ele não está contra a população como alguns vereadores afirmam. “Quem for honesto vai entender isso”, declarou.

Damaso questiona

O deputado Osires Damaso (PSC) declarou que nunca viu os vereadores de Araguaína fazendo um movimento contra a criminalidade da cidade que é a mais violenta do estado. “Mas no dia da votação, causou estranheza, que veio o Prefeito, alguns servidores e talvez até alguns servidores para fazer movimentos aqui dentro”, declarou.

Damaso quer ampliar poderes do Sindicato Rural de Paraíso

Damaso também votou contra o valor excedente e apoio seu colega Eli Borges e se convidou para participar de uma audiência pública em Araguaína para poder explicar para a população o remanejamento dos R$ 45 milhões do projeto de duplicação.

“Eu quero mostrar também a razão para eu ter votado a diminuição desse recurso para essa rodovia”, disse Damaso fazendo acusações sobre um possível projeto de corrupção que seria montado com esse valor excedente.

VEJA TAMBÉM
Assembleia entra na Justiça contra o Estado por repasses de mais de 30 milhões

Wanderlei Barbosa

O deputado Wanderlei Barbosa (SD) também comentou o caso, ponderando que a obra da TO-222 é de responsabilidade do Estado e não da Prefeitura de Araguaína e também se comprometeu a participar de uma possível audiência pública sobre o tema e falou em obra superfaturada:

Wanderlei Barbosa

“As obras que envergonham o Estado não são as econômicas, mas as superfaturas”, declarou Barbosa. “Vossa excelência é digno dos aplausos de Araguaína porque votou por uma obra que não é superfaturada e porque destinou recursos para o combate ao uso de drogas”, completou.

O deputado José Bonifácio (PR) também entende que deve haver um motivo maior para os vereadores de Araguaína ficarem revoltados com a votação feita pelos deputados estaduais em relação aos valores vindos de um empréstimo que o Estado fez junto aos bancos Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil.

“Eu digo uma coisa para esses políticos: Araguaína não é o estado. Eles estão querendo ser donos de tudo, mas não são donos de dana. Eles são partes como todos nós”, declarou.

Zé Roberto propõe nota de repúdio

O deputado Zé Roberto (PT) foi solidário a Eli Borges e entendeu que não só ele foi desrespeitado, mas toda a Assembleia Legislativa, pois a votação pela retirada dos R$ 45 milhões foi aprovada pela maioria dos deputados estaduais.

VEJA TAMBÉM
Mato Grosso do Sul tem 644 vagas abertas em concursos públicos
Deputado quer nota de repúdio contra Câmara de Araguaína

“Eu sugiro a vossa excelência que prepare uma moção de repúdio ao presidente daquela Casa e aos vereadores que votaram contra a Vossa Excelência e a gente levanta informações de que essa articulação não foi feita pelo prefeito Ronaldo Dimas”, declarou.

Já a deputada Valderez Castelo Branco lamentou que a moção de aplauso ao deputado Eli Borges tenha sido negada, pois a vida pregressa do parlamentar lhe dá direito dessa homenagem por conta de sua contribuição política ao município. “O senhor deve ser respeitado em qualquer lugar do Tocantins”, declarou a deputada.

Entenda o caso: 

A Câmara de Araguaína reprovou na última segunda-feira (9), pedido de moção de aplausos ao deputado Eli Borges (PROS) que foi sugerida pelo vereador Wagner Enoque por conta da emenda de R$ 80 mil destinada pelo deputado ao município.

A rejeição ao deputado se dá pelo fato dele ter votado a favor do remanejamento de R$ 45 milhões que seriam destinados para a duplicação da TO-222. A obra de 13 km estava orçada em R$ 85 milhões, valor considerado excedente pela maioria dos deputados.

Os vereadores que votaram a favor da moção foram: Carlos Silva, Professor Delan, Zezé Cardoso, Gideon Soares, Israel da Terezona e Wagner Enoque. A lista dos que se abstiveram da votação é composta por Gipão, Ferreirinha, Edimar Leandro, Leonardo Limas, Geraldo Silva e Silvano Picolé. O vereador Gilmar da Auto Escola votou contra e o vereador Divino Bathânia teve que se ausentar do plenário antes da votação.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.