Da Redação JM Notícia

Nesta sexta-feira (20) Ministério da Justiça e Segurança Público deflagrou uma megaoperação de combate à pedofilia em 24 estados e também no Distrito Federal. Com o nome de “Luz na Infância”, a operação também chegou no Tocantins. 

A Polícia Civil de Tocantins através da Diretoria de Inteligência e Estratégia da SSP, Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos (DRCC) e Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) estão cumprindo sete mandados de busca e apreensão não apenas na capital, mas também no interior. 

Alguns dos alvos da operação Luz na Infância foram identificados através de um levantamento de informações pela Senasp e a Embaixada dos Estados Unidos da América no Brasil – Adidância da Polícia de Imigração e Alfandega em Brasília (US Immigrationand Customs Enforcement (ICE).  

Com base em informações e evidências coletadas em ambientes virtuais, a Polícia Civil instaurou inquéritos policiais e representou pelas buscas e apreensão junto ao Poder Judiciário, visando apreender computadores e dispositivos informáticos onde estão armazenados os conteúdos de pedofilia, indiciar e prender os criminosos. Outros já eram investigados da Polícia Civil local. 

As investigações que resultaram na operação Luz na Infância vêm sendo feitas há seis meses e resultam do aprimoramento do trabalho de inteligência de segurança pública e atuação em modelo de força tarefa, que reúne em um mesmo ambiente de trabalho policiais com expertise e capacitação na repressão aos crimes virtuais e de pedofilia. Um cenário ideal para coletar e preservar evidências criminosas, garantindo, como consequência, a identificação e posterior condenação dos criminosos pela Justiça. 

Pedófilos normalmente são pessoas adultas que tem preferência sexual por crianças pré-púberes ou no início da puberdade. O complexo ambiente da internet e a ausência de fronteiras no mundo virtual são elementos que propiciam terreno fértil à atuação desses criminosos. 

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.