Da Redação JM Notícia

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, admitiu que pode concorrer ao cargo de presidente da República nas eleições de 2018 durante uma entrevista feita pela revista Veja.

Em nota, na tentativa de minimizar sua declaração, o ministro da Fazenda afirmou que respondeu positivamente à pergunta de que ele sabia que era um presidenciável. “Ao ser perguntando se ele tinha consciência de que era um presidenciável, o ministro disse que sim porque muitas pessoas o procuram e dizem que o apoiam ou que consideram que ele poderia concorrer”, diz a nota.

Na revista Veja, as falas de Meirelles são de que ele já recebe apoio de muitas pessoas para uma eventual candidatura. “As pessoas falam comigo, me procuram, mas ninguém me cobra uma definição. No mundo político, por exemplo, dizem o seguinte: o senhor tem o meu apoio, estou torcendo para isso”.

Meirelles é filiado ao PSD, mas pode se filiar ao PMDB na tentativa de conquistar apoio para disputar a vaga hoje ocupada por Michel Temer. O ministro tem até o mês de março para decidir se irá ou não trocar o ministério para concorrer ao cargo.

VEJA TAMBÉM
Grupo de Amastha articula para assumir partido de Gaguim no Tocantins

Aproximação com evangélicos já mostrava interesse do ministro

Este ano as frequentes aparições de Henrique Meirelles em eventos das igrejas Assembleia de Deus já indicavam os interesses políticos do ministro.

Ele esteve presente na Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, no aniversário de 106 anos da Assembleia de Deus no Pará; no aniversário de 85 anos do bispo primaz das Assembleias de Deus Madureira, Manoel Ferreira; e também na Convenção da Assembleia de Deus em Juiz de Fora (MG) onde falou sobre a agenda econômica.

Outro fato que mostra a proximidade do ministro com a maior denominação evangélica do Brasil, com cerca de 22 milhões de fiéis, foi a participação do Meirelles em uma campanha de oração da Assembleia de Deus, onde ele gravou um vídeo pedindo oração pela economia do Brasil.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.