Da Redação JM Notícia

O deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) é autor do projeto de lei juntamente com a deputada Erika Kokay (PR-DF)

A ministra dos Direitos Humanos, Luislinda Valois, enviou um ofício para o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) pedindo a apreciação e a aprovação do PL 5002/2013 de autoria do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) e da deputada Erika Kokay (PT-DF).

O PL, chamado de João W. Nery ou Lei de Identidade de Gênero visa alterar o artigo 58 da Lei nº 6.015 de 31 de dezembro de 1973 e estabelece, entre outras coisas que todas pessoas tem direito ao reconhecimento de sua identidade de gênero, o que envolve a modificação da aparência através de medicação e cirurgias.

O ponto questionável deste projeto de lei se refere ao direito de mudança de sexo para menores de 18 anos, determinando que seus representantes legais ajam em conformidade com a vontade da criança e do adolescente.

“Quando, por qualquer razão, seja negado ou não seja possível obter o consentimento de algum/a dos/as representante/s do Adolescente, ele poderá recorrer ele poderá recorrer a assistência da Defensoria Pública para autorização judicial, mediante procedimento sumaríssimo que deve levar em consideração os princípios de capacidade progressiva e interesse superior da criança”, diz o inciso 1º do artigo 5º do Projeto de Lei.

VEJA TAMBÉM
Reino Unido proibirá tratamentos de reorientação sexual

Parado na Comissão de Direitos Humanos desde 2016, quando foi aprovado com emendas, o projeto deve seguir com urgência depois da carta enviada pela ministra Luislinda. Rodrigo Maia prontamente enviou a carta da ministra para a Comissão que deve analisar o projeto novamente.

Homofobia como crime de ódio 

Na carta a ministra também pede urgência em outro projeto em prol da comunidade LGBT, o PL 7582/2014 de autoria da deputada Maria do Rosário. O texto tenta tratar como crime de ódio o preconceito contra orientação sexual, identidade de gênero, expressão de gênero, além de migrantes, refugiados e outros grupos.

“Constitui crime de ódio a ofensa a vida, a integridade corporal, ou a saúde de outrem motivada por preconceito ou discriminação

em razão de classe e origem social, condição de migrante, refugiado ou deslocado interno, orientação sexual, identidade e expressão de gênero, idade, religião, situação de rua e deficiência”, diz o artigo 3 do projeto.

O projeto chegou a ser debatido na Comissão de Direitos Humanos, a deputada Luizianne Lins pediu vistas ao projeto e em junho deste ano o prazo foi encerrado.

VEJA TAMBÉM
Entidades cristãs se manifestam contra o casamento gay no Panamá