Da Redação JM Notícia

 

Um fato inusitado aconteceu na noite do último domingo (5) na igreja o Brasil para Cristo no centro da cidade de Tatuí, interior de São Paulo, quando um homem invadiu o púlpito e tentou esfaquear o pastor.

O culto era transmitido ao vivo pelo Facebook e é possível ver o homem se aproximando do púlpito, subindo, levantando a camiseta e tirando uma faca para atacar o pastor.

Os fiéis que estavam presentes se apavoram e o pastor consegue virar a tempo para tentar se proteger das tentativas de ataque enquanto clama a Deus: “O sangue de Jesus tem poder”, disse o pastor algumas vezes.

Alguns homens sobem no púlpito e um deles consegue imobilizar o rapaz que tem a faca retirada de suas mãos. “Tá na mão, tá na mão. Aleluia. Glória a Deus”, declara o pastor.

“O inimigo ruge como leão, né irmãos?”, declarou o pastor após acabar o tumulto. Ele citou ainda o crime que ocorreu naquela manhã em uma igreja batista dos Estados Unidos. Apesar do tumulto, o culto prosseguiu normalmente.

VEJA TAMBÉM
CGADB lança Edital de Convocação e abre inscrições para 7ª AGE em SP

Ao G1, o pastor Gétero Augusto de Campos, que quase foi esfaqueado, explicou que o jovem queria “testar se Deus era Deus”. “Ele disse que ouviu o louvor que canta que ‘se Deus fizer é Deus e se não fizer, continua sendo Deus’ e ficou irritado porque a mãe dele continua cega. Então, ele alegou que resolveu me esfaquear para ver se Deus era Deus mesmo e quis testar”, declarou o pastor.

A Polícia Militar foi acionada e o rapaz foi levado para a delegacia. Em depoimento, o jovem de 26 anos declarou que frequenta a igreja há dez anos e que tentou matar o pastor por não ter gostado do louvor.

Após assinar o termo de circunstanciado de lesão corporal tentada, o jovem foi liberado e agora o caso será investigado pela Polícia Civil.

É possível ver o momento do ataque no vídeo abaixo, a partir de 1h01. 

Publicado por Obpc Tatuí em Domingo, 5 de novembro de 2017

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.