Por Francisco Vieira Vieirinha  –  DRT: 01018/TO

O Tocantins assistiu estarrecido a operação da Policia Federal que prendeu vários médicos essa semana. Quando parece que a capacidade de se surpreender com notícias negativas chegou no limite, aí surge outro fato. Mas aqui nessa coluna já há tempos temos falado disto. Já dissemos antes que o culpado de tudo não são só os políticos. Já alertamos que devemos olhar para nós mesmos e tomarmos cuidado para não cairmos na ilusão de achar que pequenos atos de corrupção, como levar a caneta do trabalho, usar o carro da empresa sem pedir, mentir no imposto de renda, jogar lixo em local indevido, aceitar favor de um político, não tem consequências. O Apóstolo Paulo afirma no livro de Gálatas: “Um pouco de fermento leveda toda a massa. Gálatas 5:9.

Há sempre dois lados na mesma moeda. Os oficiais do governo, os políticos vem da mesma sociedade em que eu e você vivemos. Se os cidadãos comuns são honestos, os oficiais públicos não poderiam ser corruptos. Nenhum servidor público pode receber qualquer suborno, a menos que haja alguém que esteja disposto a pagar. Somente quando os cidadãos estão dispostos a pagar propina pela obtenção da coisa certa ou errada em vez de denunciar corrupção à autoridade apropriada, os oficiais do governo podem ganhar dinheiro ilegal. No entanto, uma boa parte deste dinheiro ilegal retorna ao cidadão sob a forma de vários presentes, dados pelos políticos durante as eleições.

A leis contra corrupção na maior parte, criminalizam não só o tomador do suborno, mas também o doador, que inclui cidadãos e empresários. Mas o que chama atenção é que as pessoas não ficam com raiva de empresários corruptos, de advogados, de funcionários públicos envolvidos nos escândalos. Parece que as pessoas só ficam com raivas dos políticos e figuras públicas. Mas se esquecem dos lobistas, dos vendedores, dos amigos oportunistas que vivem espreitando contratos com o governo e assediando servidores a cair na cilada do dinheiro fácil.

Uma pergunta que deveríamos fazer é que se a corrupção é um problema, por que os cidadãos simplesmente não conseguem eleger políticos honestos? Numa era de fácil acesso a informação, onde todos tem um celular, não se pode dizer que os eleitores não têm informação sobre comportamento dos corruptos e por isso inconscientemente os apoiam. O mais interessante é ouvir a justificativa que sugere que, no Brasil se pode perdoar os políticos, desde que tenham feito seu trabalho, ou seja o famoso ditado ” Ele rouba, mas faz”. Imagine como isso influencia o comportamento dos mais jovens, que olham em volta e por falta de exemplo, crescem aprendendo a usar o “jeitinho”, a quebrar as normas, a não ter respeito por autoridade. Só mesmo Deus para mudar os paradigmas e transformar a mente desta geração. A mudança começa em casa formando cidadãos conscientes do seu dever e íntegros no seu comportamento. E tenho dito.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.