Da Redação JM Notícia

Neste domingo (12) a Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs, Texas (Estados Unidos) foi reaberta e um culto foi realizado em homenagem aos 26 mortos vítimas de um massacre realizado no dia 5 de novembro. 

O espaço precisou passar por uma transformação, pois as marcas do crime bárbaro estavam por toda a parte. Bancos, carpetes e equipamentos da igreja foram removidos. As janelas também precisaram ser restauradas. 

Para a cerimônia de homenagem às vítimas, a igreja recebeu cadeiras brancas dobráveis que foram espalhadas no local exato onde cada vítima foi encontrada. Nelas, uma rosa, uma fita branca e uma cruz vermelha simbolizavam os mortos. 

Antes dos familiares entrarem na igreja, o pastor Frank Pomeroy realizou um culto para 500 pessoas em uma tenda erguida em um campo esportivo localizado a alguns minutos da igreja. 

“Nós temos a liberdade de pegar aquele prédio que foi atacado, transformá-lo através do amor de Deus e em um memorial, para lembrar todos, para que nunca se esqueçam – o amor nunca falha”, disse o pastor que perdeu sua filha de 14 anos no massacre. 

“A mídia está impressionada porque nós não estamos com raiva, não estamos pedindo por isso ou aquilo”, disse o pastor que estava em outra cidade no dia do ataque. “Pessoal, nós temos a liberdade de escolher, e ao invés de escolher a escuridão, como um jovem homem fez naquele dia, eu digo que nós escolhamos a luz”. 

O homem de 26 anos que atirou contra os membros da igreja naquele culto pela manhã foi identificado como Devin Kelley, um ex-oficial da Força Aérea Americana que foi expulso por ter agredido sua esposa e enteado em 2012. 

Ao que tudo indica, a sogra de Kelley frequentava a igreja e, por conta do divórcio, ele vinha ameaçando a sogra até que resolveu atacar na igreja. Após efetuar o massacre, Kelley foi perseguido por moradores e se matou após colidir o carro que dirigia.  

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.