Por Francisco Vieira -Vieirinha

Jornalista e Publicitário.

Quando tomamos uma decisão séria, nos preocupamos com os resultados, nos preocupamos com o que podemos ter feito de errado ou como poderia ter sido melhor. O cidadão comum sabe bem o que é indecisão. Nestes tempos de crise, constatemente nos sentimos indecisos sobre qual conta pagar, sobre comprar carne de segunda ou frango, isso só quando sai o pagamento no começo do mês, porque depois temos que decidir mesmo é se comemos  ovo frito ou cozido, com farinha de pubá.

As decisões quanto à política pelo eleitor, tornaram-se mais complexas porque o acesso a mídia passou de alguns canais nacionais que forneciam um ponto de referência comum para a maioria da população, para a era das redes sociais em massa onde  indivíduos podemauto-selecionar o ângulo das notícias que preferem, e escolher o ponto de vista que mais lhes agrada.

Agora  para os políticos a indecisão é só jogo de cena. Serve de distração, de pressão. Para eles a indecisão é uma decisão em si mesma. Veja por exemplo os fatos ocorridos no estado na última semana. O que se viu e se tem visto é o surgimento de pré-candidaturas,  boatos de possíveis alianças, acordos, gente que uma hora é candidato a uma coisa e outra hora não é mais. Diante de tudo isso o eleitor fica confuso, sem saber o que está acontecendo. Mas se pararmos para pensar, vamos lembrar que todo ano eleitoral acontece o mesmo.  O que ocorre na verdade é que eles se lançam candidato para forçar situações, para negociar vagas em chapas proporcionais, para valorizar o passe.  Isso faz lembrar os vendedores de rede. Que começam com um preço bem alto e acabam baixando bem o valor para fechar o negócio. Enquanto isso o povo fica batendo boca e defendendo suas preferências nas redes sociais. Quanta perda de energia.  Os inimigos de ontem são os aliados de hoje.

Um sinal de indecisão é por exemplo mudar a ação do curso várias vezes em curto prazo, sem muita coerência. Lá fora em outros países, viver mudando de posição afunda a carreira do politico. Em países como EUA o candidato que muda como o vento é logo substituído. A indecisão em um líder político pode significar que eles não sabem tomar decisões necessárias diante de uma crise como a atual que o país atravessa. Mas essas alianças politicas não levam em conta o interesse da nação e sim interesses pessoais de se manter no poder.

Quem nunca não se arrependeu de ter votado em alguém? Entender os erros como circunstâncias normais ​​da vida nos leva a sofrer menos. Agora a crise política do país, deve nos levar a refletir sobre 2018.  Tomar uma decisão de qualquer maneira sobre o voto pode nos custar caro. Não podemos repetir os erros . Ironicamente, nós tornamos as decisões muito mais complicadas do que precisam ser. As pessoas vão ao restaurante e ficam horas olhando o menu, perguntando ao garçom o que elas deveriam pedir. E depois que o garçom dá a sua opinião, a maioria pede  o mesmo prato que sempre comem.  Ou seja elas não querem ouvir a opinião dos outros. Querem fazer o mesmo que sempre fazem. Cuidado para não usar a mesma lógica para votar no ano que vem. E tenho dito.

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.