Da Redação JM Notícia

Pastor Valdomiro Pereira, presidente da CEADEB

O pastor Valdomiro Pereira, presidente da Convenção das Igrejas Evangélicas Assembleias de Deus no Estado da Bahia (CEADEB), declarou que irá permanecer filiado à Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB).

Enquanto algumas convenções estaduais como a do Amazonas e Amapá já se desfiliaram, a convenção da Bahia não pretende se juntar à recém-criada Convenção das Assembleias de Deus no Brasil (CADB), liderada pelo pastor Samuel Câmara.

“Não temos nenhuma razão [para sair da CGADB], apesar das dificuldades que a gente enfrenta hoje; mas é uma dificuldade que a gente próprio pode dizer que é geral”. De qualquer jeito, é uma convenção, é um órgão, que a gente faz parte e que infelizmente, a gente vai encontrar lideres que são bênçãos de Deus e vai encontrar  lideres que não são lá essas coisas” disse ele ao JM Notícia sem citar quais são as dificuldades.

Pastor Valdomiro fez uma ligação com os membros que mudam de igrejas para buscar o melhor pastor. “Você já pensou se por qualquer ressentimento que um membro de uma igreja tenha, ele pule de igreja para igreja…a cada ano ele vai mudar de igreja“.

VEJA TAMBÉM
Pr. Raul Cavalcante e Dr. Ronaldo Rodrigues participam do 1º Encontro de Líderes de Jovens e Adolescentes da Ciadseta

Segundo o presidente da CEADEB a divisão das igrejas e, agora, das convenções, é o maior problema da igreja.

Pastor Valdomiro durante AGO na última semana no Estado da Bahia

“Quando você quebra a unidade há uma divisão”, disse ele lembrando do racha que dividiu a Assembleia de Deus entre Ministério Belém e Ministério Madureira.

MADUREIRA

O presidente da CEADEB ainda fez uma analogia do Ministério de Madureira com a nova Convenção, ou seja a CADB de Samuel Câmara; Para ele, o caso de ambas as convenções são semelhantes e podem  ter seus reflexos no futuro.

“Nós tivemos alguns anos atrás, aquela situação com Madureira. Madureira saiu foi aquela briga terrível no passado. Hoje, o líder de Madureira já chega em reunião com o pastor Wellington e chama o pastor Wellington de pai […] daqui alguns anos, tá  arriscado o pastor Samuel chegar e chamar o pastor Welligton de meu tio, meu pai […]’.

NÃO APOIA

O líder baiano ainda afirmou que não apoia a criação de várias convenções Assembleianas no Brasil, disse que não está satisfeito e afirmou que a solução é orar:

VEJA TAMBÉM
Denúncias de supostas fraudes no processo eleitoral da CGADB devem vir à tona

“Não concordamos com a questão de várias convenções no Brasil ligadas à Assembleia de Deus”, disse o pastor. “Não estou satisfeito com tudo que acontece na Assembleia de Deus, mas não vejo que a solução é seria uma nova convenção. A solução é orar, trabalhar para Deus trabalhar e mudar os homens”, completou.

ÁUDIO DA ENTREVISTA – CONFIRA

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • WESLEY WHITEFIELD

    O ministerio é de Jesus e não é da CGADB, não é pouca cousa que fez o Samuel Camara sair, era pra ter saído faz muito tempo.

    • Lu Paixao

      Enquanto crentes ficam brigando por poder,o diabo vai se fortalecendo. Como disse o pastor termos é que orar. Ao invés de dividir se fortalecer, orar pelo país que está um caus

  • LMoura

    Meu Deus! o que está acontecendo com as igrejas na Terra?? Que caminho é vesse que estamos tomando e para onde ele nos levará? O verdadeiro evangelho está sendo deixado em segundo, terceiro plano.
    Maranata!!!

  • LMoura

    O que diriam Daniel Berg e Gunnar Vingren e todos os pioneiros da Assembleia de Deus?

  • gilberto goes

    Tudo por dinheiro e posição! Todas são avarentas, Deus julgara!