Da Redação

Causou sobressaltos em muitos obreiros da Assembleia de Deus a criação de uma nova Convenção Geral. Ocorre, todavia na prática, e todos sabem que a CGADB é um instituição de Status e influencia de política ministerial  e até se locupleta de dividendos da política secular. Contudo, sem nenhum poder sobre as Igrejas. O Presidente, na Igreja local, ao seu modo reforma o Estatuto e lidera sua Igreja conforme a cultura local e regional, inclusive
dependendo da região eclesiástica a liturgia e o “modus operandi “ administrativo podem ser disparate.

A Assembleia de Deus em matéria de governo seria um parlamentarismo Inglês, onde os presidentes de cada Igreja são Primeiros Ministros e o Presidente da CGADB seria uma rainha, que na prática está de enfeite no Governo. Nada pode em relação à Igreja local e seus costumes. No que diz respeito á política ministerial, não consegue dirimir conflitos regionais.

Entretanto, quando vê seu poder ameaçado, apoia divisão em Estados que descambam para apoiar desafetos, manda perseguir inimigos e ainda diz: fala que a iniciativa foi sua. Articula e promove divisão em Ministérios e Convenções Estaduais. Como ocorreu em Salvador-BA, Rio de Janeiro e muitos outros Estados.

A criação da nova Convenção Geral é resultado do vem ocorrendo há muitos anos na CGADB. Em 1930 dois Brasileiros que nasceram para liderar, insatisfeitos com a liderança dos Missionários, se aproveitaram da enfermidade de Gunnar e da fraqueza de Berg para abrir a CGADB, tomar as rédeas e formatar uma nova identidade para Assembleia de Deus. E por incrível que parece, foi a partir dai que ela começou se espalhar por todas as regiões e crescer assustadoramente.

VEJA TAMBÉM
Pastores da CONFRADEP anunciam desligamento da CGADB

Em 1946 esses dois brasileiros, liderando o eixo Rio-São Paulo, se estranharam e o do Rio invadiu São Paulo, abrindo centenas de Igrejas. O que na prática desencadeou conflito e discussões acaloradas nas AGOS de todas as Convenções. Não apenas em São Paulo, como em todos os Estados.

Em 1978 a Convenção da Igreja mãe liderada pelo Pastor Firmino, rompeu com a CGADB, pedindo desligamento e ameaçando abrir uma nova Convenção Geral em decorrência dos conflitos de invasão por parte do Ministério de Madureira. Já que a CGADB se omitia em dirimir o conflito. Madureira, por outro lado, registrou sua CONAMAD, Convenção Nacional
das Assembleias de Deus de Madureira, mas continuou por muito tempo ligado á CGADB.

Pastor Samuel Câmara, líder da mais nova convenção assembleiana no Brasil – CADB

Até que alguém incomodado com a ameaça de perder eleição para Manuel Ferreira e também por um ato de vingança e temeridade, decidiu dar o cartão vermelho para a CONAMAD em 1989 na Bahia. Já que em 1983 em Vitória do Espirito Santo ele havia perdido a eleição para Manuel Ferreira eleito com 683 votos e José Wellington 655.
O qual só conseguiu êxito com a morte do Presidente Alcebíades Vasconcelos. Hoje, porém, após 18 anos os que eram inimigos mortais se congratulam nos aniversários e nas cerimonias memoráveis e politicas das Igrejas que presidem.

Agora na virada do século XXI, uma nova liderança que não foi fabricado pelo pai, mas nasceu para liderar, depois de repetidas tentativas de competir em igualdade e após sucessivas perseguições e até exclusão, decide sair e abrir uma nova Convenção Geral. Quando o feto se torna maior que o corpo, tem que nascer. Um líder nato, jamais ficará debaixo de um líder fabricado. Quando Madureira foi excluída tinha apenas dois
mil pastores. Hoje Samuel Câmara já nasce grande com mais de 10 mil pastores filiados, com Editora própria, Emissora de Televisão e dezenas de emissoras de radiodifusão. Universidades e Escolas seculares. Com uma sede no Rio de Janeiro no mesmo local que Gunnar Vingren liderou a Igreja por 12 anos na década de 1920 e inicio de 1930.

VEJA TAMBÉM
Acompanhe ao vivo o lançamento da Convenção CADB

Samuel Câmara é visionário, tem administração arrojada e nasceu para liderar pastores. Em curto prazo, porém, não conseguirá levar muita gente. A escolha do vice foi acertada, já que o Pastor veterano Eliseu Menezes é um patrimônio moral da Assembleia de Deus no Estado do Rio de Janeiro, um icone da Assembleia de Deus no país. Porém, em médio prazo a CADB poderá triplicar seu número de filiados. E, em longo prazo com a morte dos dois ícones, vai abrir um vácuo de liderança tanto na CONAMAD, quanto na CGADB. O primeiro, carismático, agregador que nasceu para liderar deixará o legado para o filho que não tem o mesmo perfil. O segundo, carismático no extremo, nascido para liderar, agregador, fino no trato, visão de águia. Porém a idade não lhe permitirá que esteja aqui para ver a CADB até engolindo a CGADB. A CADB vai crescer muito, mas em longo prazo.

COMPARTILHAR

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.
  • Vicente Neves da Silva

    Excelente texto e pelo andar da carruagem,não levará muito tempo para a CADB engolir a CGADB,se levarmos em conta o dinamismo dos Câmara.Apesar dos erros e fraquezas dos homens,a Obra de Deus continua crescendo e a Igreja triunfando.

    • Luid Romanoff

      É a igreja lucrando.

  • Isaac

    Olha que interessante.foi criada Hoje e já é desde 1911….rsrsrs.

    “Outra Divisão e a CGADB continua Forte par a ganhar Almas para o Rei JESUS….

  • Marisângesiel de Oliveira

    Deus saiu desse meio. Cegos espirituais são os que ficam aí.

  • Marcos Orioli

    É uma máfia essa convenção CGADB obreiros com cargo lá de diretoria com salários altíssimos, a revista da EBD também é vendida com preço altíssimo, só visam lucro…

    • Daniel

      Você está mal informado, ninguém recebe salário pelos trabalhos realizados nas convenções ligadas à CGADB, a não ser os funcionários que trabalham em tempo integral.

      Os pastores recebem seus salários dos campos ou ministérios que estão filiados, por isso que há acumulo de cargos, pois se deixassem os campos não teriam como se sustentarem. Só há ressarcimento das despesas, por exemplo se você viaja de uma cidade a outra a serviço da convenção todos os custos de locomoção, hospedagem e alimentação correm por conta da convenção.

      Como sei disso? já fui secretário setorial e ajudei por muito tempo nos trabalhos da CONFRADESP e CGADB.

      Agora quanto as revistas, se você conseguir manter a qualidade da mesma e baixar os custos de produção, entre em contato com a CPAD que eles te contratam na hora.

      • Orhioli

        Agora entendi de tantos carros importados dos pastores na reunião de obreiro, ninguém quer trabalhar, agora é só obra e dinheiro, muito dinheiro. Agora as revistas você falar de qualidade??Onde? Um papel simples daquele, será que na igreja não entra ofertas e dízimos suficientes para ao menos oferecerem uma revista de EBD. Agora você irá dizer que precisa vender para pagar os funcionários da CPAD. E eu vou fingir que acredito que falta dinheiro nos cofres da igreja. Então o céu é vendido. Isso que dá a ignorância do povo. Ainda bem que vários pastores estão abrindo o olho e caindo fora desse sistema religioso falido

        • Daniel

          Meu amigo você ainda não entendeu. a CPAD é um empresa, tem por força de lei ter o seu caixa totalmente independente da convenção. Não pode em hipótese alguma o dinheiro da convenção ir para a CPAD, e nem o contrário.

          Igualmente o caixa da CGADB não pode ir para os ministérios locais e vice-versa. A CGADB é uma convenção de ministros e não de ministérios.; ou seja a CGADB se sustenta das anuidades que os ministros filiados a ela pagam.

          Caso aconteça como já ocorreu, da CGADB não ter dinheiro para realizar as suas atividades e o Ministério do Belém emprestar o dinheiro, a CGADB tem que devolver o dinheiro; como de fato devolveu. Isto é o que manda o estatuto. Isto é o que manda a lei. O mesmo vale para as convenções regionais, com exceção de umas poucas como o da Bahia que esta sim é uma convenção de igrejas e não de ministros.

          Agora o fato de dizer que os pastores não trabalham bem não posso dizer os do Brasil inteiro, mas os pastores que eu conheço aqui em São Paulo e que tem cargos seja na direção do ministério, da CONFRADESP ou CGADB, trabalham e trabalam muito.

          • Orhioli

            Ok, entendi. Mas o que é triste mesmo é ver os pastores tudo se rendendo a maçonaria. Muito triste.

  • Daniel

    A redação que escreveu esta matéria me desculpe mas ou vocês são mal informados ou estão agindo de má fé.

    Partindo do pressuposto que estão mal informados deixa esclarecer-lhes:

    1º) Que a CADB não conseguiu reunir 10 mil ministros (ministro é pastor, missionário ou evangelista), pois neste números escondem um embute: a CADB está contando também as esposas dos ministros. Visto que elas nunca fizeram parte da CGADB pois esta em conformidade com a Bíblia Sagrada não consagra mulheres ao santo ministério; isto posto baixaria o número de ministros a 5 mil pois a outra metade seria de mulheres. Agora também temos de levar em consideração que nem todos os ministros eram filiados à CGADB, mas também há os filiados à CONAMAD, apesar desta informação não ter sido muito vinculada na imprensa evangélica.

    2º) Precisa ser verificado se os 5 mil são realmente ministros do evangelho reconhecidos ou pela CGADB ou CONAMAD, pois assim como foram divulgadas informações de convenções que nunca foram ligadas a CGADB estavam se desfiliando da mesma, pode também ter aí pessoas que nunca tiveram o seu ministério reconhecido ou/e credenciado por nenhuma convenção nacional.

    3º) A CGADB é uma convenção de ministros e não de igrejas, por isso não pode e não deve interferir no dia a dia dos ministérios, porém pode e deve interferir nos seguintes casos: heresia, adultério e desvio de dinheiro, desde que os casos sejam comunicados e provados a convenção e o ministério, campo ou convenção regional não tenham tido condição para sanar este mal. Agora isto na teoria é fácil falar mas na prática é bem mas difícil.

    4º) É mentirosa e caluniadora a informação que “Entretanto, quando vê seu poder ameaçado, apoia divisão em Estados que descambam para apoiar desafetos, manda perseguir inimigos e ainda diz: fala que a iniciativa foi sua. Articula e promove divisão em Ministérios e Convenções Estaduais. Como ocorreu em Salvador-BA, Rio de Janeiro e muitos outros Estados.”

    5º) A parte que conta a história de fundação da CGADB, da cisão com a CONAMAD, da eleições de Manuel Ferreira e José Wellington estão tão distorcidas que nem errado consegue ser, mas sim pura ficção com um fundo muito, mas muito leve de verdade.

    6º) Vocês deveriam orar e jejuar antes de começarem a fazer as afirmações que fizeram sobre Samuel Câmara, Pastor José Wellington, Pastor Wellington Júnior, e a CADB.

    Pastor José Wellington foi o homem que Deus levantou para comandar a CGADB, CONFRADESP e Ministério do Belém, gostem dele ou não, aceitem isso ou não. Se ele errou no comando, ele acertará as contas com o SENHOR no do julgamento quando todos os pastores terão de prestar contas do rebanho ao SENHOR.

    Pastor Wellington Júnior foi Deus que o colocou lá, eu me lembro muito bem que há mais de 10 anos atrás o SENHOR disse para mim que tudo o que falam dele é mentira, e na mesma ocasião eu o vi espiritualmente, e o que eu vi foi a sua casa espiritual arrumada, limpa e sem nenhuma mancha.

    Samuel Câmara: digo sem medo de errar, em uma vigília em outro ministério que eu não pertenço, o SENHOR me falou que ele ( Samuel Câmara) tem o espírito de rebelião.

    Digo mais, sem saber o que estava acontecendo, que o pastor presidente daquele ministério precisava tomar uma decisão naquela madrugada e que era para a igreja orar para que Deus abrisse os olhos espirituais do pastor presidente. Também o SENHOR disse que um pastor setorial estava armando um golpe contra o pastor presidente e que era para a igreja orar e expulsar o espírito de rebelião que entrou naquele ministério depois que Samuel Câmara visitou aquele ministério.

    Eu contei o que o SENHOR tinha me dito, só não citei o nome de Samuel Câmara, a igreja se levantou orou como o SENHOR tinha ordenado.

    Depois eu fiquei sabendo que a decisão que o pastor presidente daquele ministério precisava tomar é se aderiria ou não a CADB, e que a direção que o SENHOR deu para ele foi de não sair da CGADB.

    Quanto ao crescimento que foi dito sobre a CADB o SENHOR falou não para mim mas para um presbítero que eu conheço, que será efêmero, que daqui há um tempo se perguntará do que foi feito tanto da CADB quanto de Samuel Câmara e ninguém saberá, pois cairá no esquecimento.

  • caio

    Em vez de ganhar almas ficam brigando, simplesmente por não saber respeitar a convenção cgadb, agora inventaram outra sem votação e já se autodeclarando presidente camara, vice presidente camara, secretario camara, tesoreiro camara, ah vah procurar macaquinhos va… é por isso que é uma bagunça as igrejas em belem… não se respeita mais as igrejas dos camara…

    https://uploads.disquscdn.com/images/f50f02e29b8d67ca550389e2f48a8c56455a511e7b7a2d5320faaa8667541d81.jpg

  • J. Fco.

    Os Câmara, não conseguiram no voto e agora inventa a cadb…..se Deus quisesse eles na presidência tinha permitido eles ganharem no voto….mas Deus é sábio…onisciente…não compactua com isso.