Da Redação JM Notícia

A Associação Billy Graham pedia doações em escolas do Canadá e separava como brinquedos de meninas e meninos

O Canadá aderiu a ideologia de gênero e tem tomado medidas severas contra quem não é a favor dessa teoria de que gênero é inversão social. A mais nova repressão foi contra o ministério Bolsa do Samaritano que foi impedido de distribuir presentes de Natal. 

A instituição, ligada à Associação Evangelística Billy Graham, promove anualmente a “Operação Natal das Crianças”, recolhendo brinquedos e entregando para comunidades carentes em várias partes do mundo. 

As caixas são separadas por brinquedos de menina e menino, o que para o Canadá é “homofobia”, se tornando motivo para impedir que os brinquedos sejam coletados nas 259 escolas nos Distrito Escolar de Newfoundland e Labrador para serem entregue às crianças mais pobres de outros países. 

A justificativa das autoridades, segundo o Canadian Press, é que a ação é  “homofóbica” e “transfóbica”, por separar o que é de menino e o que é de menina, impedindo que crianças homossexuais ou transgêneros possam ganhar presentes segundo suas preferências. 

“Esta organização exige que seus voluntários e coordenadores assinem ‘declarações de fé’ que estão em conflito direto com nossa filosofia inclusiva, particularmente no que diz respeito à comunidade LGBT”, justificou o diretor de educação Tony Stack. 

Stack assegurou que o distrito já está envolvido com outras instituições de caridade que ajudam as crianças nos países em desenvolvimento, condenando a Associação Billy Graham por não apoiar o ativismo LGBT. 

Os voluntários do projeto Bolsa do Samaritano precisa se cadastrar e assinar um contrato declarando que concordam com a declaração de fé do ministério, termo este que defende o casamento heterossexual, o que gerou ainda mais revolta por parte dos professores que, provavelmente, foram quem denunciaram a ação social do ministério.  Com informações Canadian Press.