Da Redação JM Notícia

A estiagem e a falta de fiscalização são as principais causas das queimadas, segundo o Inpe (Foto: Frederick Borges/Governo do Tocantins)

O Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe) divulgou um balanço que aponta para o número de queimadas registradas no Tocantins em 2017, número este 51% maior do que o registrado no ano passado. 

Até o último domingo (10) foram registrados 22.526 focos de queimada em todo estado, sendo que em 2016 foram 14.856 focos. Monitorado desde 1998 pelo Inpe, este ano se pode se tornar o maior da história em número de queimadas, podendo superar os mais de 25 mil focos registrados em 2010. 

O fogo já devastou grandes áreas em parques ambientais e causou prejuízos em fazendas de várias regiões. Em setembro, mais de 10 mil focos foram registrados, causando diversos danos, inclusive a morte de um vaqueiro e a morte de mais de mil animais. 

Estiagem e falta de fiscalização

A estiagem prolongada e a falta de fiscalização são as principais causas dos focos de queimadas, segundo o pesquisador Alberto Setzer, responsável no Inpe por coordenar o monitoramento de queimadas no país. 

A falta de chuva faz com que os focos de incêndios se espalhem e atinjam áreas maiores, causando ainda mais estragos. “Mas o principal foi o descontrole por parte da fiscalização, porque a gente está falando em crimes sendo cometidos”, declarou Setzer. 

COMPARTILHAR

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal.