Da Redação JM Notícia

Segundo o Instituto Paraná Pesquisas, o petista aparece com 26,6% das intenções, seguido pelo pré-candidato do PSC, com 18,5%

Os dois candidatos que lideram as pesquisas de intenção de voto podem ter a diplomação cassada por fazerem campanha antecipada. Foi isso que o ministro Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), declarou à imprensa nesta segunda-feira (11).

Segundo o ministro, caso Lula ou Jair Bolsonaro sejam eleitos em 2018, poderão não assumir o cargo, pois a corte já advertiu os dois pré-candidatos sobre os movimentos eleitorais que estão fazendo pelo país e esses casos serão julgados novamente em fevereiro do ano que vem.

“Eu acho que nos próximos casos o tribunal já vai se posicionar de maneira mais enfática. Aqui não há só essa pergunta sobre a legalidade. Há a pergunta também sobre o financiamento. Quem é que está financiando, e isso pode levar inclusive, depois, ao reconhecimento de abuso de poder econômico”, declarou Gilmar Mendes.

Em caso de condenação, o candidato eleito poderá ter o diploma cassado e isso o impedirá de assumir o poder. “É preciso tomar cuidado com isso”, advertiu o ministro que estava em Washington, nos Estados Unidos, assinando um convênio com a Organização dos Estados Americanos (OEA) para que se tenha observação do órgão nas eleições gerais do Brasil em 2018.

VEJA TAMBÉM
Dimas ouve demandas dos municípios na região Norte do Estado

Ao falar sobre essas caravanas realizadas pelos dois pré-candidatos, Mendes declarou que é preciso passar “uma linha lindeira”, dizendo ainda que as multas nesta fase são muito leves. O ministro indicou que parte desta pré-campanha faz parte de uma estrutura maior e que pode haver abuso de poder econômico nestes eventos.

“Há estruturas aí que já passam da linha, jatinhos, deslocamentos de caravanas, ônibus, reunião organizada de pessoas e tudo mais. Tudo isso precisa ser avaliado. Acho que esse vai ser o tema do tribunal já em fevereiro”, completou.

Gilmar Mendes, porém, entende que há uma lacuna na legislação que não consegue tratar esse período pré-campanha. Por conta disto, fica mais difícil analisar estes movimentos dos candidatos. Outra reclamação que o ministro do TSE faz é sobre os “doadores laranjas” usados para camuflar o uso de dinheiro ilegal nessas campanhas.

“Nas eleições municipais de 2016, tivemos o número de 730 mil doadores, dos quais, talvez, mais da metade são suspeitos, cerca de 300 mil pessoas, pessoas que não teriam capacidade financeira. O que que isso sugere? Que pessoas estão usando recursos disponíveis e distribuindo por CPFs para que se façam doações. Certamente como nós vamos ter uma disputa muito maior, muito mais intensa nas eleições gerais, É de se preocupar com isso”, declarou.

VEJA TAMBÉM
Associação evangélica declara apoio à pré-candidatura de Márlon Reis ao governo do Tocantins