Da Redação JM Notícia

Felippe Daniel Hernandes faleceu em após anos em coma por complicações em uma cirurgia de redução de estômago

Um ano após a morte de Felippe Daniel Hernandes, mais conhecido como Tid, filho do casal Estevam e Sônia Hernandes, os vereadores da cidade de São Paulo aprovaram o projeto de lei que muda o nome do Viaduto Pedroso para “Viaduto Pedroso Bispo Tid Hernandes”.

O PL 257/2010 é de autoria dos vereadores evangélicos Carlos Apolinário (DEM) e Gilberto Nascimento (PSC) e foi aprovado simbolicamente na Câmara após duas fases de discussão tendo apenas a abstenção do vereador Toninho Vespoli (PSOL).

“O Tid sempre foi uma referência para minha geração… Além de ser um grande parceiro nos shows do Bride, Marchas e SOS da Vida… Recebeu o reconhecimento da Câmara pela atuação junto da Igreja Renascer em muitos trabalhos e ações sociais que transformaram milhares de vidas na nossa cidade”, disse o vereador Gilberto Nascimento pelo Instagram.

O apóstolo Estevam Hernandes também comentou a decisão da Câmara e agradeceu ao parlamentar pelo projeto. “Muitoo obrigado @gilbertonjr essa homenagem toca nosso coração #VIADUTO BISPO TID HERNANDES”, escreveu.

O Viaduto Pedroso está localizado na região central de São Paulo, ligando as duas partes da Rua Pedroso, no bairro da Liberdade, passando sobre a Avenida 23 de Maio.

VEJA TAMBÉM
Evangélicos oram pelo fim da corrupção durante a Marcha para Jesus de São Paulo

Morte de Tid Hernandes completou um ano 

Tid Hernandes faleceu no dia 14 de dezembro de 2016, aos 37 anos de idade, a causa da morte não foi relevada pela família, mas ele estava em coma desde 2009 após problemas decorrentes de uma cirurgia de redução de estômago.

 Felippe Hernandes era figura influente na Igreja Renascer em Cristo, sendo idealizador de festivais de música gospel como o S.O.S. da Vida. Ele chegou a assumir também o posto de diretor da extinta gravadora Gospel Records, que já foi uma das mais importantes gravadoras do gênero no país.

Apesar desses destaques, o filho do casal também colecionou problemas judiciais, sendo réus em vários processos, desde ações trabalhistas até uma acusação do Ministério Público de São Paulo pelo crime de lavagem de dinheiro.