Da Redação JM Notícia

Vereador Folha Filho, presidente da Câmara de Palmas (PSD)

O presidente da Câmara de Palmas, vereador José do Lago Folha (PSD), está sendo acusado pelos demais vereadores da Casa de Leis, de segurar a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Até está quarta-feira (27), o presidente Folha Filho não tinha pautado à LDO.

Devido a postura do vereador Folha Filho em não pautar à LDO, na manhã desta quarta-feira (27) 10 vereadores protocolaram ofício que convoca a presidência e demais vereadores para Sessão Extraordinária no próximo dia 29, às 15 horas, para deliberar os processos que estão trancando a pauta e aprovar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).
Segundo o presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Redação, essa atitude de 10 parlamentares, mostra a insatisfação do parlamento com o presidente Folha Filho:
Diogo Fernandes, vereador de Palmas

“Não podemos ter uma gestão que respeita a pauta somente em assuntos de interesse próprio e do executivo, chegou o ponto de termos que utilizar do Regimento Interno da Casa para poder fazer nosso trabalho” disse Fernandes.

VEJA TAMBÉM
Ministério Quero Viver realiza festa de inauguração em Palmas
O ofício dos 10 parlamentares esclarece a legalidade na convocação quando subscrita pela maioria dos vereadores e cita a relevância da deliberação e consequente votação da LDO para o andamento dos trabalhos da Casa, uma vez que depois de concluída esta etapa, será necessária ainda apreciação e votação da LOA que permitirá a adequação do orçamento para o próximo ano.
SEM MAIORIA

Segundo apurado pelo JM Notícia, como o prefeito Carlos Amastha (PSB) perdeu a maioria na Câmara, ele está tentando cooptar pelo menos um voto dos vereadores independentes para aprovar à LDO, o remanejamento do orçamento de 20%. No entanto, os 10 vereadores independentes ao Paço Municipal, querem aprovar 5%.

“O presidente da Câmara, Folha Filho, ele defende a proposta de 20% de remanejamento, e nós, os vereadores independentes propomos 5%.”, disse Diogo Fernandes ao JM Notícia.

De acordo com Fernandes, a proposta de 5% é para que não aconteça o que aconteceu este ano: “Tirar dinheiro de recursos da saúde para investir em eventos, por isso, queremos acompanhar de perto essa aplicação de recursos”.

VEJA TAMBÉM
"Amastha não fará com nossa educação o que fez com a Educon", diz Leo Barbosa

O JM Notícia tentou ouvir o presidente da Câmara de Palmas, Folha Filho, mas as ligações não foram atendidas.

COMPARTILHAR